Escalada de violência: 200 detidos e órgãos de comunicação atacados

Escalada de violência: 200 detidos e órgãos de comunicação atacados

AP

Durante os tumultos entre manifestantes e polícia foram destruídos vários órgãos de comunicação oficiais, incluindo a sede da agência chinesa Xinhua

Segundo a polícia, os detidos são acusados de manifestação ilegal, posse de armas ofensivas, danos criminais e uso de cobertura facial durante as concentrações de protesto.

Além disso, o Departamento de Combate ao Crime Organizado e Tríades (máfias locais) deteve quatro homens e uma mulher por posse de armas, informou a polícia hoje em comunicado, no qual assinala que também apreenderam 188 coquetéis Molotov, "numerosos" bastões extensíveis e 'spray' de gás pimenta.

A polícia local diz que implantou veículos especializados para a gestão de multidões, como camiões equipados com jatos de água, e usou gás lacrimogéneo e balas de borracha, entre outros, para impedir os atos dos manifestantes.

Hong Kong registou no sábado um dos seus dias mais violentos, com confrontos entre polícia de choque e grupos de manifestantes, alguns dos quais também causaram destruição em lojas e organizações, como a sede no território da agência de notícias estatal chinesa Xinhua, cujas portas de vidro foram completamente quebradas.

Tudo começou com uma manifestação no Parque Vitória, no centro da cidade, que a polícia não havia autorizado, mas que os 128 candidatos pró-democracia às eleições distritais, que se realizam no final de novembro, tentaram transformar em comícios.

Mais de mil ativistas concentraram-se no parque, grande parte deles usando máscaras, desafiando a proibição de cobrir o rosto em manifestações decretada pelo governo local.

Os polícias antimotim alertaram que o uso de máscaras violava a lei e que a concentração não era autorizada, mas os ativistas permaneceram no local, após o que a polícia usou gás lacrimogéneo para os dispersar.

Após a ação policial no parque, grupos de manifestantes foram para a área central, que abriga a sede do Governo, do parlamento e da polícia, para onde, duas horas depois, estavam convocadas outras duas manifestações autorizadas.

Aos que estavam reunidos no parque juntaram-se milhares de pessoas, mas a polícia começou a bloquear as avenidas que até ao centro e tiveram início confrontos entre os manifestantes e os agentes.

A polícia usou veículos com canhões de água, enquanto os manifestantes arremessaram coquetéis Molotov, garrafas e pedras da calçada contra os agentes.

A polícia anunciou de seguida, invocando leis coloniais de ordem pública e mediante a "violência" exercida pelos manifestantes, que as duas manifestações autorizadas na área central tinham sido proibidas.

Os confrontos generalizaram-se e um grande número de polícias foi destacado para várias zonas da cidade, onde ocorreram lançamentos de gás lacrimogéneo.

Grupos de manifestantes ergueram barricadas e fogueiras em algumas avenidas para impedir a passagem da polícia e também causaram danos a vários edifícios de organismos relacionados com a China continental.

O Governo de Hong Kong informou hoje que a chefe do executivo local, Carrie Lam, reunir-se-á em Pequim na quarta-feira com o vice-primeiro-ministro chinês Han Zheng.

Será a primeira reunião oficial desde o início dos protestos em Hong Kong entre Lam e Han, o líder chinês responsável pelos assuntos de ex-colónia britânica.

Relacionadas

Exclusivos