Comissão eleitoral admite adiar divulgação de resultados

Propaganda política para as eleições realizadas a 30 de dezembro de 2018.

Propaganda política para as eleições realizadas a 30 de dezembro de 2018.

A Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) admitiu hoje adiar a divulgação dos resultados das eleições na República Democrática do Congo, prevista para domingo, quando, segundo fontes daquele organismo, estão apurados apenas 20% dos votos.

"A divulgação deverá ser adiada porque não se escrutinou todos os votos, de todas as províncias", explicaram fontes da CENI, citadas pela agência Efe, esclarecendo que, até que não atinja 80% ou 90%, não se prevê a emissão dos primeiros resultados provisórios.

O presidente da CENI, Corneille Nangaa, admitiu que apenas um quinto dos votos (20%) foi escrutinado até quinta-feira, três dias antes de domingo, o prazo limite definido para a divulgação dos resultados.

No sábado, a CENI poderá fazer um anúncio oficial a confirmar o atraso na divulgação dos resultados, acrescentaram as fontes, que pediram o anonimato.

Depois da Conferência Episcopal Nacional (Cenco), que colocou no terreno 40.000 observadores nas eleições de 30 de dezembro, o serviço diplomático da União Europeia (UE) apelou também à verdade na divulgação dos resultados da votação na República Democrática do Congo.

"A UE associa-se aos apelos, entre os quais da missão de observação eleitoral da União Africana (UA) e do presidente da Comissão da UA, para que os resultados sejam conformes o voto do povo congolês", referiu o porta-voz do serviço de ação exterior da UE, em comunicado difundido hoje em Bruxelas.

Apesar das tensões constatadas, as eleições do passado domingo poderão constituir a primeira transição pacífica no poder do país desde a sua independência da Bélgica, em 1960.

Depois de publicados os resultados provisórios, que terão de ser validados pelo Tribunal Constitucional, será conhecido o sucessor do Presidente da RDCongo, Jospeh Kabila, no poder desde 2001.

O ato eleitoral de 30 de dezembro reuniu 21 candidaturas à Presidência da RDCongo, 15.355 candidatos a deputados na Assembleia Nacional e 19.640 representantes provinciais.

Inicialmente previstas para 2016, as eleições de domingo tinham sido adiadas duas vezes.

Estas eleições só ficarão concluídas em 19 de março deste ano, com a realização do sufrágio nas cidades de Beni, Butembo e Yumbi, adiadas devido à epidemia do Ébola e aos conflitos dos grupos armados.

Relacionadas

Exclusivos