Sanções à vista para quem travar o processo eleitoral na Guiné-Bissau

Sanções à vista para quem travar o processo eleitoral na Guiné-Bissau

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, anunciou que a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) admite voltar a impor sanções a quem criar obstáculos ao processo eleitoral no país.

O chefe de Estadio guineense lembou que a CEDEAO prevê a imposição de sanções para quem "tentar travar o processo, tentar criar dificuldades". "Com certeza que se assim for, voltarão as sanções", afirmou José Mário Vaz.

O Presidente guineense falava aos jornalistas no aeroporto Osvaldo Vieira, em Bissau, no regresso de Abuja, Nigéria, onde participou na última conferência do ano dos chefes de Estado e de Governo da organização.

"Não estou preocupado porque sei que o processo já ganhou o ritmo. Na Guiné-Bissau nunca houve problemas no recenseamento e muito menos nas eleições e portanto sei que isto tudo vai correr bem e vamos ter eleições livres, justas e transparentes", salientou o chefe de Estado.

O Presidente guineense marcou eleições legislativas para 10 de março.

Relacionadas

Exclusivos