Após expulsão de Frota, líder do PSL diz que partido não será "PT à direita"

Após expulsão de Frota, líder do PSL diz que partido não será "PT à direita"

Um dia após a expulsão do deputado federal Alexandre Frota, o líder do partido na Câmara dos Deputados negou que o partido seja intolerante ou intransigente

Segundo Delegado Waldir, as divergências são naturais e ocorrem inclusive no âmbito pessoal ou familiar. "A gente não pode ser intransigente, querer puritanos no PSL. Se não, vamos virar um PT à direita", disse Waldir em entrevista à Rádio Eldorado. "Temos de respeitar as diferenças. O que não queremos é extremista de esquerda. Agora dizer que queremos (pessoas) 100% de direita é exagero político, essa não é a pretensão do PSL".

Waldir afirmou que as divergências são normais dentro de um partido e são indissociáveis da política. "Se em casa a gente briga, imagina em um partido que temos 53 líderes? É normal ter divergências, formação de alas, todo partido tem isso. E (isso) brota com mais efervescência em razão de eleições municipais no ano que vem. Tem fundo partidário, tem recurso, briga pelo poder", afirmou.

Leia mais em ISTOÉ

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG