Premium Timor Gap negoceia financiamento de Porto de Beaço com a China

Timor-Leste

Timor-Leste

  |  DR

A Timor Gap está a negociar com a China o financiamento do novo Porto de Beaço, inserido no projeto do Greater Sunrise, no sul de Timor, e avaliado em 943 milhões de dólares, disse à Lusa o presidente da petrolífera timorense.

"Estamos a trabalhar com os chineses para garantir que temos financiamento muito melhor do que noutras alternativas", afirmou Francisco Monteiro, referindo que o projeto se insere na iniciativa chinesa "Uma Faixa, uma Rota".

"Estamos nesta altura em negociações comerciais. Podemos assegurar que não vamos depender de dinheiro do Orçamento do Estado", garantiu.

A 26 de abril, a empresa China Civil Engineering Construction Corporation anunciou a assinatura de um contrato com a Timor Gap para a construção do novo porto que se vai inserir na nova unidade de processamento de gás natural em Beaço, no sul de Timor-Leste.

Em comunicado enviado ao mercado bolsista de Xangai, a China Civil Engineering Construction Corporation, uma subsidiária da construtora estatal chinesa China Railway Construction Corporation, indicou que vai receber cerca de 943 milhões de dólares norte-americanos (846,2 milhões de euros) pelo design e construção do porto.

Antes do arranque das obras, que deverão demorar cerca de quatro anos, a Timor Gap terá ainda de assegurar o financiamento do projeto, sublinhou a China Civil Engineering Construction.

Francisco Monteiro explicou que o contrato, cuja assinatura a Lusa avançou no final de abril, se insere num processo "diferente" da tradicional contratação publica, fazendo parte de "negociações antigas entre a Timor Gap e a empresa no âmbito da iniciativa chinesa "Uma Faixa, uma Rota"

Também conhecida como a Rota da Seda Marítima do Século 21, a iniciativa é uma estratégia de desenvolvimento do Governo chinês que aposta no desenvolvimento de infraestrutura e investimentos em vários países da Ásia, África e Europa.

"Timor candidatou-se. Assinamos um memorando de entendimento em 2017, mantivemos contactos desde aí e assinámos um novo memorando no ano passado", explicou.

"O contrato foi assinado, foi dado a conhecer ao primeiro-ministro que também informou o Presidente da República", disse.

Monteiro explicou que ainda há "muitos passos a cumprir", mas que o essencial é "garantir que se desenvolve o projeto e que há parceiros para executar o projeto".

Com esta primeira parte, do porto, cumpre-se "uma secção do investimento total de entre 5,5 e 6 mil milhões que custará o downstream", explicou, referindo que o desenho do porto foi concretizado por uma equipa internacional em 2014.

A expectativa é de que a construção possa começar em 2021, estimando-se que o projeto pode vir a empregar "entre dois e três mil" pessoas.

Francisco Monteiro rejeitou acusações de falta de transparência da oposição, afirmando que todo o processo está a ser dado a conhecer de forma aberta.

Em comunicado, na semana passada, a Fretilin mostrou-se "muito preocupada com o processo que o Governo e a Timor GAP utilizaram para efetuar esta adjudicação, que não demonstra transparência e não parece ter seguido os procedimentos e regras de aprovisionamento em vigor no país para garantir a defesa do interesse do Estado".

O partido recordou o que diz serem "experiências anteriores" que demonstram "várias vezes que os projetos feitos "às escondidas", sem passar pelos processos de aprovisionamento, no final têm dado grandes prejuízos ao Estado".

"A Bancada da FRETILIN exige que o Governo apresente ao Parlamento Nacional todos os detalhes do contrato. É importante estudarmos todos os empréstimos com muita atenção para se saber sobre a viabilidade económica do projeto e a capacidade de pagar as dividas contraídas", disse.

"Qual foi a garantia que o Governo e a Timor GAP apresentaram aos credores caso não consigamos pagar esta dívida?", questionou.

Segundo a Timor Gap, o porto de Beaço vai "permitir o desembarque de materiais durante a construção" tanto do gasoduto, que trará o gás natural dos campos petrolíferos de Greater Sunrise, como de uma unidade de processamento de Gás Natural Liquefeito (GNL).

Após a entrada em funcionamento da unidade, o porto vai ser usado para o embarque do GNL, acrescentou a Timor Gap.

No passado dia 16 de abril, Timor-Leste concretizou a compra uma participação maioritária no consórcio do Greater Sunrise por 650 milhões de dólares norte-americanos (575 milhões de euros), para avançar com o projeto de gasoduto e processamento de petróleo e gás natural na costa sul do país.

Os campos de Greater Sunrise contêm reservas estimadas de 5,1 triliões de pés cúbicos de gás e estão localizados no mar de Timor, a aproximadamente 150 quilómetros a sudeste de Timor-Leste e a 450 quilómetros a noroeste de Darwin, na Austrália.

Relacionadas

Exclusivos