Startup Weekend aposta na sustentabilidade

Startup Weekend aposta na sustentabilidade

A edição deste ano quer responder aquela que é uma das principais preocupações do momento: a aposta na sustentabilidade. A organizadora do Startup Weekend quer despertar Macau para um problema que, diz, "é de toda a sociedade".

Para Stephanie Chiang, também diretora de marketing do evento que começa hoje e termina domingo, no Sofitel, em Macau, "o mundo inteiro está a enfrentar o problema da sustentabilidade".

"Por isso, queremos ajudar todos os empreendedores a desenvolver projetos que ajudem a resolver este problema", realça, em entrevista ao PLATAFORMA sobre o Global Startup Weekend - Sustainable Revolution.

O evento, esclarece, decorre em mais de 50 cidades e é fundamental que mais comunidades se juntem por todo o mundo.

"É importante haver diversidade neste tipo de evento, visto que a maioria das pessoas pensa que não é um assunto do seu interesse quando, na realidade, o problema [da sustentabilidade] é de toda a sociedade", acentua a diretora de marketing.

Segundo a organizadora, o evento pretende ajudar jovens empreendedores a desenvolverem projetos e a criarem startups (empresas ou negócios em fase de arranque, geralmente de carácter inovador) no âmbito da sustentabilidade.

"É bom sentir que Macau tem consciência deste problema e que está a tentar ser mais sustentável. Por isso, decidimos criar esta edição para informar as pessoas acerca deste problema, para que façam alguma coisa. Não passa só por deixar de usar sacos de plástico, mas fazer melhorias no dia-a-dia", reforça Stephanie Chiang.

Para a responsável, o evento pretende atingir diversos objetivos, estando direcionado para "todas as pessoas e não só para empreendedores".

"Um dos objetivos, diz Chiang, é ensinar a criar uma startup. Ajudar as pessoas a desenvolverem o respetivo projeto. Com o Startup Weekend começam a saber o conceito de startup, a conhecer outras maneiras de criar uma startup e o nosso papel é ajudar ao desenvolvimento das capacidades dos participantes desde a ideia inicial até à realização do projeto", explica.

O evento também pretende ajudar jovens empreendedores a encontrarem parceiros e co-fundadores dos respetivos projetos e a criarem novos contactos.

Questionada sobre o orçamento do evento, a organizadora recusou-se a adiantar pormenores. Segundo a diretora, em Macau é possível criar-se startups, lembrando que existem coworks (modelos de escritórios assentes na partilha de espaços de trabalho entre diferentes empresas e projetos).

Garantidos estão 40 participantes, o mesmo número que o ano passado, mas Stephanie Chiang prevê que o número final de participantes supere os 60 durante ao longo do evento.

"Queremos passar a mensagem de que todos podem participar, mesmo que não sejam empreendedores", conclui.

Relacionadas

Exclusivos