Compromisso para um futuro em rede

Compromisso para um futuro em rede

DR

1o Congresso Mundial da Diáspora Portuguesa lançou pontes para novas redes de cooperação global. O desafio é tornar as comunidades uma prioridade.

Cerca de meio milhar de representantes da diáspora, oriundos de 36 países, saíram do Porto com o compromisso de criar projetos com base nas redes criadas no 1o Congresso Mundial da Diáspora Portuguesa. O evento organizado pela Secretaria de Estado das Comunidades - "por uma visão estratégica partilhada" - teve um peso institucional ao mais alto nível, com a presença do presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa, na abertura dos trabalhos.

Costa defendeu que a política para as comunidades" é um eixo central da política externa portuguesa". A tónica do discurso do chefe do Governo foi para a valorização do contributo das comunidades portuguesas no exterior, para a difusão da língua e cultura portuguesa, a par do contributo para a economia e para identidade global de Portugal, com destaque para as novas e antigas redes de empresários, académicos, agentes culturais ou associações. "As comunidades na diáspora são um elemento essencial para o aumento das exportações", afirmou, ao mesmo tempo que prometeu fazer tudo "para que os nossos compatriotas não se vejam obrigados a emigrar pela força da necessidade".

Já Marcelo Rebelo de Sousa fez um apelo interno e externo para que a diáspora seja finalmente uma prioridade. "Há aqui uma luta cultural que é um desafio para a diáspora também: explicar aos portugueses que somos muito bons e que uma das razões para isso tem que ver com a nossa presença no mundo", afirmou, ao mesmo tempo que salientou a importância de encontrar respostas para comunidades cada vez mais diversas e dispersas, sobretudo à luz do que tem sido a emigração ao longo da última década, de quadros mais qualificados. "Há que atualizar as respostas face a um ritmo alucinante de emigração das novas gerações."

Das palavras aos atos

Foi dado um primeiro passo para um evento que se pretende que tenha lugar de dois em dois anos. "Foram estabelecidos compromissos e agora é fundamental dar continuidade", disse ao PLATFORMA o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, em jeito de resumo do encontro. As centenas de delegados discutiram articulação entre as várias redes lançadas: associativismo, ciência e conhecimento, economia e desenvolvimento, cidadania, eleitos, apoio local e comunicação social.

Estavam presentes delegados de várias gerações. Um deles, António Ângelo, oriundo da Lourinhã, emigrou para a Suíça no início dos anos 1980, tendo abraçado uma carreira política que o levou a ser, atualmente, presidente do Conselho Municipal de Versoix (da zona de Genebra). Regressa a casa com esperança nos compromissos assumidos, mas deixa um alerta: "É preciso definir prazos para colocar em ação o que foi prometido aqui, sem isso é complicado".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG