Líderes mostram-se a favor de união monetária em África

Líderes mostram-se a favor de união monetária em África

DR

Ministros e governantes de vários países africanos concordaram que uma moeda única em África, no futuro, seria favorável para o reforço económico do continente e o crescimento das transações internas, evitando o dólar ou euro.

Com mais de 40 diferentes moedas nacionais usadas no continente, políticos africanos querem reforçar o poder das próprias moedas juntamente com o acordo de livre comércio dentro da África e reduzir as transações internacionais em dólares ou euros.

As afirmações foram feitas este sábado por líderes políticos do Quénia, Mauritânia, Senegal e Somália aos jornalistas em Washington, Estados Unidos, durante os Encontros Anuais do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (BM), ao avaliar oportunidades e desafios do recente Acordo de Livre Comércio Continental Africano (AfCFTA, na sigla em inglês).

O diretor nacional do Tesouro da Mauritânia, Mohamed Lemine Ould Dheby, realçou que é possível uma união monetária dentro de África, mas a convergência económica traz mais exigências do que os requerimentos para o acordo de comércio recentemente alcançado dentro do continente.

Opiniões semelhantes trouxeram líderes dos outros países, que destacaram que uma união monetária em África iria exigir uma integração faseada para abranger e apoiar as economias mais frágeis e com menos rendimentos e garantir a inclusividade dos sistemas financeiros.

Os políticos também consideraram que ainda há muitos desafios, como assegurar a segurança e a existência de infraestruturas adequadas e suficientes, para o fortalecimento das relações comerciais multilaterais dentro do continente africano.

Relacionadas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG