ASEAN e seis países da Ásia-Pacífico preparam megatratado

epa07667536 ASEAN leaders (L-R) Malaysia's Prime Minister Mahathir Mohamad, Myanmar's State Counselor

epa07667536 ASEAN leaders (L-R) Malaysia's Prime Minister Mahathir Mohamad, Myanmar's State Counselor Aung San Suu Kyi, Philippines President Rodrigo Duterte, Singapore's Prime Minister Lee Hsien Loong, Thailand's Prime Minister Prayut Chan-o-cha, Vietnam's Prime Minister Nguyen Xuan Phuc, Brunei's Sultan Hassanal Bolkiah, Cambodia's Prime Minister Hun Sen, Indonesia's President Joko Widodo and Laos Prime Minister Thongloun Sisoulith link their hands for a group photo at the opening ceremony of the 34th ASEAN Summit in Bangkok, Thailand, 23 June 2019. Thailand is charing the 34th ASEAN Summit. The assembly for Southeast Asian leaders aims to discuss a range of various issues, including Indo-Pacific strategy, the Regional Cooperation Economic Partnership (RCEP) and the repatriation of Rohingya stateless refugees. EPA/DIEGO AZUBEL

Os líderes da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) ultimaram uma posição comum, juntamente com outros seis países da Ásia-Pacífico, para a criação de um megatratado comercial que resultará no maior bloco económico do mundo.

O encontro da ASEAN, que começou oficialmente na passada sexta-feira com os trabalhos preparatórios, acolheu os ministros da economia da organização para discutir o projeto, promovido por Pequim.

Denominado Parceria Económica Regional (RCEP), o projeto junta dezasseis Estados na região da Ásia-Pacífico e um dos objetivos passa por fortalecer a influência da China na região, numa altura de disputas comerciais entre Pequim e Washington.

Além dos países membros da ASEAN (Malásia, Indonésia, Brunei, Vietname, Camboja, Laos, Myanmar, Singapura, Tailândia e Filipinas) e da China, o acordo inclui ainda Índia, Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia que, juntos, representam aproximadamente 40 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e quase metade da população do planeta.

O primeiro-ministro da Tailândia, Prayut Chan-ocha, assumiu, no discurso de encerramento do encontro, a responsabilidade pela unidade da ASEAN contra o protecionismo crescente em alguns países na economia mundial, uma alusão às políticas norte-americanas e à guerra comercial entre os EUA e a China.

Prayut admitiu que o acordo RCEP pode estar finalizado até ao final deste ano.

O bloco do sudeste Asiático completou, até o momento, sete dos 20 pontos do RCEP, que começaram a ser negociados em 2012 e sofreram vários atrasos devido às discrepâncias entre os membros.

A ASEAN forma um bloco de 647 milhões de pessoas que aspira a aumentar o seu PIB combinado para 4,7 triliões de dólares norte-americanos em 2025 e tornar-se a quarta potência económica do mundo.

Relacionadas

Exclusivos