Premium Quem é quem na seleção que venceu a final do mundial?

Patinam desde que sabem andar e venceram a Argentina na final do mundial de hóquei em patins em Barcelona. O último título mundial data de 2003.

seleção nacional, treinada por Renato Garrido, conquistou o 16.º título mundial do seu historial, neste domingo, frente à Argentina. Portugal não vencia o campeonato do mundo desde 2003, sendo preciso recuar 26 anos para encontrar o último título conquistado pela seleção nacional fora de casa, que no caso foi em Itália.

Quem é quem na seleção?

Ângelo Girão - guarda-redes
Começou a praticar hóquei em patins a nível federado nos escalões de formação do Vigorosa, passando depois pelo FC Porto, onde esteve durante dez temporadas, e pelo Gulpilhares, Académica de Espinho e Valongo (onde foi campeão) antes de se mudar para o Sporting em 2015-16. Guarda-redes de eleição e com um assinalável espírito de sacrifício, Ângelo Girão foi um dos obreiros do título europeu da seleção em 2016 e do Sporting em 2019. Foi distinguido com o Prémio Stromp na categoria Europeu em 2016, na categoria Mundial em 2017 e na categoria Atleta em 2018. Muitos dizem que é o melhor guarda-redes do mundo. Tem sido um dos grandes destaques da seleção no mundial, a par de Hélder Nunes e João Rodrigues.

Nélson Filipe - guarda-redes
Começou no Académico e fez a carreira praticamente toda no FC Porto, apesar de ter conhecido alguns empréstimos quando era novo. Quando chegou ao Dragão, com 16 anos, perdia muitas vezes o autocarro para casa porque ficava a ver os treinos dos seniores. Anos depois dividia o balneário com eles, mas, segundo contou numa entrevista, ele tinha de se "beliscar" para acreditar que estava ao lado de Tó Neves, Edo, Paulo Alves, etc. Vai abandonar o FC Porto e mudar-se para a Oliveirense. No FC Porto dividia a baliza com o Carles Grau, pelo que acabou por ser surpreendente a chamada ao mundial em vez de Pedro Henriques, guarda-redes do Benfica.

Hélder Nunes - defesa/ médio
A maturidade é o seu cartão-de-visita. Só tem 25 anos mas as pessoas pensam que é muito mais velho tal a experiência e a agilidade mental que coloca nos jogos. Aos 23 anos já era capitão do Porto. Começou a patinar aos 2 anos e rapidamente chamou a atenção... do Óquei de Barcelos. De lá passou para o no HC Braga e depois para o FC Porto, clube onde chegou em 2012-13 e de onde vai sair no final da época para ir para o Barcelona - vai ser o quarto português a jogar no Barça, depois de Carlos Realista, Luís Querido e João Rodrigues -, assinou até 2023 e foi apresentado antes de ir ao mundial. No Dragão ganhou tudo a nível nacional. Conquistou dois campeonatos nacionais, quatro Supertaças e quatro Taças de Portugal e, em representação de Portugal, sagrou-se campeão europeu de seniores, sub-20 e sub-17 e ainda campeão mundial sub-20. Agora tenta o título mundial. Tem sido um dos grandes destaques da seleção no mundial, a par de João Rodrigues e Ângelo Girão.

Henrique Magalhães - defesa/médio
O defesa, que conta no seu currículo com um título europeu conquistado ao serviço de Portugal em 2016, foi formado no FC Porto - apesar de ter começado no Clube Infante Sagres com 6 anos. Representou ainda ao longo da sua carreira HC Braga, OC Barcelos, Valongo e Liceo da Coruña. Em 2017-18 Henrique Magalhães chegou a Alvalade como um dos reforços do plantel leonino proveniente do Liceo da Coruña. Em Alvalade tem sido um dos esteios sobre o qual recai muita da consistência defensiva da equipa do Sporting, tendo conquistado um campeonato nacional. É dos jogadores mais low profile da seleção.

Telmo Pinto - defesa/médio
Começou no Carvalhos, mas aos 11 anos já vestia de azul e branco, completando no Dragão o seu percurso na formação. Depois de coincidir na "escola" dos dragões com nomes como Henrique Magalhães, Rafa e Ângelo Girão, Telmo saiu para o projeto do Valongo em 2012, conquistando o histórico título nacional em 2014. Voltaria depois ao Dragão, onde neste ano conquistou o título nacional. Agora, passados quatro anos, vai mudar-se para o Sporting para substituir Henrique Magalhães.

Miguel Vieira - defesa/médio
"Comecei a patinar com 5 anos por influência de um primo, e o meu primeiro clube foi o Barcelinhos", contou Miguel Vieira numa entrevista. Conhecido por Vieirinha, dividiu a formação entre HC Braga e OC Barcelos, antes de chegar ao Benfica com 20 anos. Na Luz chegou a ser dado como dispensável, mas ganhou mais minutos com a chegada do novo treinador a meio da época - o selecionador espanhol que eliminou ontem - e ganhou espaço no cinco da Luz. É o jogador mais novo da seleção, mas apesar de ter apenas 22 anos já tem cerca de 50 internacionalizações pela seleção principal. É o único jogador do Benfica presente na convocatória e já ganhou dois mundiais sub-20, tendo sido pedra fundamental nos dois títulos.

Rafa - avançado
Formado no FC Porto fez parte da equipa do Valongo, que fez história em 2014 com a conquista do título nacional. Depois de passagens pelo HC Braga, Óquei de Barcelos e Valongo, em 2014, voltou ao Dragão, onde ganhou muita importância nos últimos dois anos. Apesar de já ter 27 anos, é um dos rostos da renovação que tem sido feita na equipa desde 2016, que já valeu um título de campeão da Europa e agora pode valer um titulo de campeão mundial.

Jorge Silva - avançado
Aos 35 anos Jorge Silva sente-se um jovem repleto de energia e vontade de triunfar. O jogador natural de Vila Nova de Gaia notabilizou-se ao serviço do FC Porto, antes de se mudar para Oliveira de Azeméis, onde atualmente joga na Oliveirense. Já foi campeão nacional de hóquei em patins sete vezes e tem mais de 22 títulos conquistados em Portugal. Teve a época mais produtiva da carreira em termos de golos (33 golos). Como o próprio diz, é um avançado que nunca teve uma média de golos muito alta, mas com a época valeu-lhe a convocatória para a seleção nacional, depois de ter ficado de fora do mundial de 2017 na China. Apesar de ter andado noutros clubes, a sua carreira é indiscutivelmente ligada ao FC Porto, onde passou mais tempo. Vai falhar a final depois de ter visto três cartões azuis nos jogos realizados e apanhar um jogo de suspensão.

João Rodrigues - avançado
A influência do hóquei em campo do pai (João Rodrigues) e da patinagem artística da irmã (Raquel) uniram-se para criar um dos melhores hoquistas mundiais, de seu nome João Rodrigues. João cresceu no Restelo a ver o pai jogar hóquei em campo, mas foi em Paço de Arcos que nasceu para o hóquei em patins. "Praticamente desde que nasci que acompanhava o meu pai nos treinos do Belenenses e andava sempre com o stick na mão. Levava-o para todo o lado. Depois, como a minha irmã andava na patinagem artística, comecei também a patinar, tinha uns 4 anos. Passados um ou dois meses de andar na patinagem pedi aos meus pais para ir para o hóquei em patins", disse ao DN em abril. Depois de 14 anos em Paço de Arcos, e assim que atingiu a maioridade, mudou-se para a Luz, onde esteve nove anos ao serviço do Benfica e de onde saiu para o Barcelona, clube que hoje representa. Tem sido um dos grandes destaques da seleção no mundial, a par de Hélder Nunes e Ângelo Girão.

Gonçalo Alves - avançado
Descendente de uma família com tradições na modalidade - o pai trabalhou no FC Porto e no Famalicense e o tio (Paulo Alves) jogou no FC Porto e foi campeão mundial pela seleção em 2003 - com apenas um ano e meio de idade já patinava. Desde então nunca mais descalçou os patins. Gonçalo Alves iniciou-se nas escolinhas do FC Porto, com 4 anos, através de António Livramento. Devido à incompatibilidade de horários entre os treinos e a escola, teve de se mudar para o Famalicense onde permaneceu durante quatro anos. Depois a mãe aceitou um trabalho em Lisboa e Gonçalo recebeu um convite do Sporting. O talento era tal que ele chegou a jogar aos sábados pelos seniores e aos domingos pelos juniores. Só abandonou os leões depois de eles chegarem à primeira divisão nacional. Em 2012 transferiu-se para a Oliveirense e três anos depois foi para o FC Porto.

[Texto atualizado às 19:45, após a vitória de Portugal sobre a Argentina no Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins]

Relacionadas

Exclusivos