Samuel F. Pimenta e Maria Francisca Macedo vencem prémios literários de Almada

Samuel F. Pimenta e Maria Francisca Macedo vencem prémios literários de Almada

Câmara Municipal de Almada

Samuel F. Pimenta venceu a 31.ª edição do Prémio Literário Cidade de Almada/Poesia e Maria Francisca Macedo o Prémio Literário Maria Rosa Colaço/Literatura Infantil, na sua 14.ª edição, foi hoje anunciado.

A obra "Ascensão da Água" valeu o prémio a Samuel F. Pimenta e o original "Histórias de Enc(o)ntar de um Lobo que não Gostava de Matemática" deu o galardão a Maria Francisca Macedo, divulgou a Câmara Municipal de Almada.

Os galardões foram entregues hoje no Fórum Municipal Romeu Correia, naquela cidade.

A cada um dos autores premiados a Câmara Municipal de Almada atribuiu um prémio monetário no valor de cinco mil euros, tendo concorrido aos dois prémios um total de 277 obras, anunciou a câmara almadense.

"Ascenção da água", segundo nota da edilidade, "apresenta um conjunto de poemas com uma arquitetura elegante e uma dicção poética conseguida, as quais geram uma relação muito cativante com o próprio potencial imaginativo do leitor".

"É melancólico o olhar que o poeta lança sobre o mundo. Contudo, há nos poemas um êxtase contemplativo que capta a atenção, reforçando, ao mesmo tempo, a eficácia comunicativa das imagens e das palavras", segundo o júri, citado pela câmara.

Samuel F. Pimenta nasceu a 26 de fevereiro de 1990, em Alcanhões, no Ribatejo, tendo começado a escrever aos 10 anos. Licenciou-se em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa.

O autor tem participado em vários encontros literários nacionais e internacionais, e colabora com publicações em Portugal, no Brasil, em Angola, em Moçambique e na Galiza, assinala a autarquia, segundo a qual a sua obra está presente em diversas antologias, em Portugal e no estrangeiro, tendo alguns dos seus livros dado origem a peças de teatro e teses académicas.

"Histórias de Enc(o)ntar de um Lobo que não Gostava de Matemática" é "um texto bem-humorado, construído a partir de uma sequência numérica ou dos algarismos de um a dez e da mobilização de figuras-tipo do acervo tradicional oral, tais como o lobo, os três porquinhos ou os sete cabritinhos, entre outros", segundo a Câmara Municipal de Almada.

"O sugerido jogo intertextual, o discurso dialógico, um certo "nonsense" (muito atrativo, aliás), uma linguagem simples e um estilo peculiar permitem situar este numerário literário, distinto pela reconhecida qualidade estética, no domínio da escrita de potencial receção infantil", prossegue a autarquia.

O Prémio Literário Maria Rosa Colaço pretende "homenagear a ilustre escritora e incentivar a criatividade literária de autores portugueses, nos domínios da literatura infantil e juvenil", afirma a câmara de Almada.

Maria Francisca Macedo é natural de Lisboa e viveu alguns anos em Macau, onde começou o seu gosto pela escrita, "através das cartas e histórias que trocava com o seu avô", segundo o comunicado.

De regresso a Portugal estudou Biologia, área na qual fez um mestrado, e a partir de 2011 seguiu o Ensino. O ano passado iniciou uma Pós-Graduação em Livro Infantil.

"Durante este percurso, criou ferramentas didáticas para pais, alunos e professores, fundindo criatividade e conhecimento, tendo assim nascido a coleção de aventuras juvenis O Clube dos Cientistas", refere a edilidade almadense.

Relacionadas

Exclusivos