Premium Rigor obstinado

Homem Vitruviano (33 cm X 26 cm) c. 1490 Gallerie dell’Accademia Veneza - Itália A SÍNTESE No diagrama “Homem Vitruviano” (c. 1490), baseado na obra de Vitrúvio, Leonardo da Vinci se retrata aos 38 anos para explicar a perfeição das proporções do corpo humano: ciência, arte e sensualidade

O mundo celebra os 500 anos da morte do gênio florentino que, sob a divisa "Hostinato Rigore", apontou para a fusão de arte, ciência, sensualidade e espiritualidade - missão que o homem ainda não cumpriu

Os contemporâneos de Leonardo Da Vinci (1452-1519) contam que o artista, engenheiro e sábio de muitas disciplinas costumava fazer um gesto característico quando conversava com os nobres, exibia-se em um palco ou se dirigia a aprendizes no ateliê: levantava a mão e apontava com o dedo indicador para o alto, em direção de algum objeto ou mesmo de um fenômeno natural. Em vida, o Leonardo di Ser Piero da Vinci - nascido em Anchiano, lugarejo vizinho a Vinci, então república de Florença, filho ilegítimo do notário Piero Fruosino - despertava admiração pela beleza, força física, maneiras refinadas, raciocínio crítico e a vontade de impressionar e até chocar as pessoas a sua volta.

Trajado com um manto cor-de-rosa curto, quando a moda era a veste longa, bastos cabelos encaracolados e barba que lhe caía pela cintura, Leonardo se imbuía de uma consciência teatral. Representava o papel do personagem que, com curiosidade insaciável, perseguia a perfeição: a imagem do que se convencionou chamar de homem renascentista, aquele que se liberta das superstições medievais e usa o poder de observação da natureza para expressar o resultado do conhecimento em esboços, diagramas, cálculos e, por fim, obras de arte e engenharia.

Leia mais em ISTOÉ.

Relacionadas

Exclusivos