Agência atómica da ONU condena falta de cooperação do Irão

O Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) adotou ontem uma resolução apelando formalmente ao Irão que coopere com os inspetores da agência da ONU e restrinja o seu programa nuclear.

por Nelson Moura

O texto – que foi apresentado por Reino Unido, França e Alemanha – foi aprovado por 20 dos 35 países do Conselho, com o aval dos Estados Unidos, que inicialmente estiveram relutantes, receando uma escalada das tensões no Médio Oriente.

Na passada semana, o Conselho de Governadores da AIEA recebeu um relatório que concluía que o Irão acelerou a produção de urânio enriquecido, com uma pureza de 60 por cento, até 142,1 quilogramas, valor próximo de poder ser utilizado para o fabrico de uma bomba atómica.

A Rússia e a China votaram contra a resolução ontem aprovada – a primeira contra o Irão desde novembro de 2022 – enquanto 12 países se abstiveram. O texto lamenta mais uma vez a ausência de “respostas técnicas credíveis” relativamente à presença de vestígios inexplicáveis de urânio em dois locais do Irão não declarados.

“É essencial e urgente” que Teerão esclareça a situação e conceda acesso aos locais em questão, insiste o texto. A AIEA considera que o Irão deve “reverter a retirada da acreditação” de alguns dos seus inspetores mais experientes e voltar a ligar as câmaras de vigilância.

De significado simbólico nesta fase, a resolução visa aumentar a pressão sobre o Irão, que restringiu severamente a sua cooperação com a agência da ONU nos últimos anos.

Contudo, o texto pode ser o prelúdio para transmitir o desconforto perante a situação junto do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que tem poderes para tomar sanções. Ainda assim, é quase certo que Moscovo e Pequim bloqueiem qualquer tentativa de sanção.

O texto foi modificado após intensas negociações com a diplomacia norte-americana, que rejeitou uma iniciativa semelhante em março, alegando receio de que provoque uma escalada no Médio Oriente.

Plataforma com Lusa

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!