Guias turísticos esperam poder gerir itinerário de excursões

A política de múltiplas entradas e saídas em grupo para residentes do Continente que viajem entre Macau e Hengqin foi implementada desde o dia 6 deste mês. Segundo Wu Wai Fong, presidente da Associação de Guias Turísticos de Macau, existem cerca de 600 guias turísticos locais de Macau com licenças para trabalhar em Hengqin, mas estes são obrigados a cooperar com agências de viagens em Hengqin para gerir os itinerários na Zona de Cooperação. Wu espera que, no futuro, os guias turísticos de Macau com licença em Hengqin possam ser autorizados a gerir todo o itinerário das excursões organizadas por agências de viagens de Macau, de modo a proporcionar aos turistas uma experiência de viagem mais coesa.

por Gonçalo Lopes

O responsável afirma que, de acordo com a política de múltiplas entradas e saídas, os grupos turísticos devem ser acompanhados por guias turísticos de Hengqin ou Zhuhai, ou por guias turísticos de Macau com licença de guia turístico de Hengqin e é necessária a cooperação com agências de viagens de Hengqin. No entanto, como as agências de viagens têm geralmente os seus próprios guias turísticos e podem não estar dispostas a cooperar com guias turísticos de Macau, os guias locais são principalmente responsáveis pelos itinerários na RAEM.

Atualmente, existem cerca de 1.700 guias turísticos em Macau, dos quais cerca de 600 obtiveram a licença para praticar em Hengqin. Porém, apenas cerca de 60 tiveram a oportunidade de liderar excursões em Hengqin. Originalmente, a indústria tinha grandes expetativas sobre esta nova política e esperava mais oportunidades de emprego, especialmente para aqueles guias turísticos locais que obtiveram uma licença em Hengqin durante a pandemia. “Eles têm a licença há muito tempo e esperam colocar o que aprenderam em prática”, diz Wu.

O responsável explica que alguns guias turísticos locais só podem acompanhar estas excursões a Hengqin como “escoltas turísticas”, pois as suas licenças já expiraram. Quando perguntou às autoridades do Continente sobre o procedimento de renovação, foi informado de que as pessoas envolvidas seriam notificadas o mais rápido possível. Alguns foram informados de que seriam reconhecidos se as suas licenças de Macau não tivessem expirado, portanto espera que as autoridades tornem os procedimentos mais claros e expeditos, para que os guias não percam oportunidades.

Wu aponta também que uma agência de viagens de Macau estava a planear abrir uma filial em Hengqin, mas que este projeto continua incerto. Em geral, espera que as excursões recebidas pelas agências de viagens de Macau possam ser lideradas por guias locais com licença em Hengqin, para que proporcionem melhores serviços aos turistas.

Por outro lado, as excursões sob a nova política não são de grande escala, com cerca de 20 participantes por excursão, e concentram-se principalmente em passeios de lazer. Wu acredita que os locais históricos de Macau e os parques e atrações naturais de Hengqin complementam-se, e são muito adequados para famílias. Com as férias de verão a chegar, sugere que produtos turísticos sejam preparados com antecedência para que as famílias possam ter opções. Não obstante, espera que os grupos turísticos possam ficar em Macau e Hengqin mais tempo.

Artigo publicado no âmbito da parceria com o Macau Daily News

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!