Central nuclear de Zaporijia em “estado precário” devido à guerra

por Gonçalo Lopes

A segurança nuclear da central ucraniana de Zaporijia encontra-se num “estado precário”, advertiu na quarta-feira o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, num comunicado.

De acordo com a agência, a “última linha elétrica de emergência” da central, danificada desde 01 de Março, continua “desligada e em reparação”. A linha permite à central garantir a segurança nuclear como último recurso, nomeadamente através do arrefecimento dos reatores.

Durante as últimas três semanas, a central tem dependido da eletricidade fornecida por uma única linha externa principal de 750 quilovolts (kV), e “qualquer dano [a esta linha] resultará na perda total de toda a alimentação exterior à central”.

“A segurança nuclear dentro da central permanece num estado precário”, disse Grossi. “Apelo mais uma vez a todas as partes para que se comprometam a garantir a segurança nuclear da central”, acrescentou.

A 09 de Março, a central, ocupada pelo exército russo, foi isolada da rede elétrica ucraniana durante 11 horas, na sequência de um ataque russo.

Os geradores de emergência a diesel tinham sido ligados para fornecer energia mínima aos sistemas de segurança, de acordo com a Energoatom, que gere a instalação e alertou para o risco de um acidente nuclear.

“Estamos a brincar com o fogo”, avisou Grossi.

O Alto Representante da União Europeia, Josep Borell, concordou: “Esta é uma grave violação da segurança nuclear, causada pela Rússia. (…) Zaporijia é a maior central nuclear da Europa. E a Rússia está a pôr em perigo a segurança de todo o continente europeu, incluindo a Rússia”.

Sem a eletricidade produzida por estes geradores, o sobreaquecimento do combustível do reator pode conduzir rapidamente a um acidente nuclear, num cenário semelhante ao da central de Fukushima no Japão em 2011.

*Com Lusa

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!