Grupo extremista Estado Islâmico fez 384 ataques em Moçambique em 2021 - Plataforma Media

Grupo extremista Estado Islâmico fez 384 ataques em Moçambique em 2021

O grupo extremista Estado Islâmico realizou um total de 384 ataques em Moçambique em 2021, que resultaram em 1.127 mortos entre civis, forças armadas moçambicanas e combatentes, segundo um relatório do Departamento de Estado norte-americano hoje conhecido.

De acordo com o relatório de 2021 do gabinete de contraterrorismo da diplomacia norte-americana para as atividades terroristas em todo o mundo, o ano em análise foi assinalado pela tomada de Palma, vila da província de Cabo Delgado, norte do país, pelo Estado Islâmico em Moçambique (EI-M) em março desse ano, e pela resposta das forças conjuntas das forças armadas moçambicanas e do Ruanda, que “recuperaram quantidades significativas de território” sob controlo do grupo terrorista.

Em 24 de março de 2021, o EI-M atacou a cidade de Palma, no nordeste do país, “criando milhares de deslocados internos à medida que expandia o seu controlo sobre a província” e em resposta, a TotalEnergies suspendeu as suas operações de desenvolvimento de gás natural na península de Afungi, assinala o relatório.

A partir de julho do mesmo ano, porém, a deslocação para o terreno das forças pertencentes à missão em Moçambique da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e das Forças de Defesa do Ruanda (RDF) “ajudaram as Forças de Defesa e Segurança moçambicanas (FDS) a recuperar território, incluindo Palma e Mocímboa da Praia, uma cidade portuária estratégica que o EI-M tinha tomado em 2020”.

Esta resposta permitiu ainda ao Governo moçambicano anunciar em 30 de novembro desse ano a “captura de 245 suspeitos de terrorismo e a eliminação de 200 terroristas em combate”.

Leia ainda: Cabo Delgado: Governo moçambicano quer apostar na formação das tropas

Em contrapartida, a dispersão do grupo terrorista está na origem de vários ataques a aldeias, incluindo em dois distritos da província do Niassa, vizinha de Cabo Delgado, assinala o Departamento de Estado.

O relatório estima que o EI-M mantenha cerca de 800 operacionais ativos no norte de Moçambique e na designação abrangente de EI-M empregue no relatório cabem entidades tão diversas quanto os grupos armados Ansar al-Sunna; Ajudantes da Tradição; Ahl al-Sunna wa al-Jamaa ou a al-Shabaab em Moçambique, entre outros.

O relatório detalha os principais incidentes terroristas ocorridos em 2021, a começar pelo ataque e tomada de Palma em 24 de março desse ano, que levou à deslocação de 50.000 pessoas.

Em 12 de setembro, o EI-M emboscou um comboio das forças ruandesas no distrito de Mocímboa da Praia, matando quatro soldados ruandeses e ferindo outros seis, e em 2 de outubro, raptou sete mulheres da aldeia de Nacate no distrito de Macomia, a sul de Mocímboa da Praia.

Em novembro e dezembro, o grupo extremista passou pela primeira vez da província de Cabo Delgado para a província de Niassa, onde “atacou várias aldeias nos distritos de Mecula e Marrupa”, segundo o texto do Departamento de Estado, equivalente ao Ministério dos Negócios Estrangeiros.

“Em 15 de dezembro, o EI-M terá decapitado um pastor cristão no distrito de Macomia e ordenado à sua esposa que entregasse a sua cabeça às Forças de Defesa e Segurança moçambicanas”, detalha o relatório.

O relatório regista as alterações legislativas no quadro do combate ao terrorismo introduzidas pelo Governo moçambicano, nomeadamente na moldura penal para o terrorismo dentro de fronteiras, mas não reconhece “alterações significativas em 2021” na capacidade de implementação do novo quadro legal, assim como sublinha que a “segurança fronteiriça continuou a ser um desafio para Moçambique, não tendo havido alterações significativas” no ano em análise.

O combate ao financiamento do terrorismo merece do Departamento de Estado norte-americano uma nota particularmente negativa, resultante da observação de “importantes lacunas técnicas de conformidade” e da falta de uma Avaliação Nacional de Risco (ARN), pelo que o país se arrisca a ser colocado na “lista cinzenta” dos países publicamente nomeados como deficientes na prevenção e combate a medidas financeiras ilícitas.

O Governo moçambicano “começou a abordar estas lacunas através da elaboração de novas leis sobre terrorismo doméstico, branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, bem como de uma ARN, embora todas estivessem pendentes de conclusão no final do ano”, assinala o relatório.

A província de Cabo Delgado enfrenta há cinco anos uma insurgência armada com alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

A insurgência levou a uma resposta militar desde julho de 2021 com apoio do Ruanda e da SADC, libertando distritos junto aos projetos de gás, mas surgiram novas vagas de ataques a sul da região e na vizinha província de Nampula.

O conflito já fez um milhão de deslocados, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

Related posts
MoçambiqueSociedade

Médicos Sem Fronteira dizem que Cabo Delgado está longe de estar estabilizado

MoçambiqueSociedade

Mocímboa reabilita porto que rebeldes em Cabo Delgado ocuparam

MoçambiqueSociedade

Vida regressa a Palma sob patrulha, dois anos após ataque no norte de Moçambique

MoçambiqueSociedade

Crianças e adolescentes aprendem a viver sozinhos em Cabo Delgado

Assine nossa Newsletter