TCU checa se gastos de 45 milhões de Bolsonaro foram para assistência a Yanomamis

por Viviana Chan
ISTOÉ

O Tribunal de Contas da União (TCU) abriu um processo para investigar a destinação de uma verba de 45,1 milhões de reais que o governo Jair Bolsonaro declarou ter desembolsado com transporte aéreo e compra de gêneros alimentícios para o povo Yanomami. O relator é o ministro Walton Alencar Rodrigues.

O procedimento vai se debruçar sobre despesas do Ministério da Saúde e da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), por meio da coordenação regional de Roraima, entre 2019 e 2022.

O processo foi aberto a partir de uma representação do senador Jorge Kajuru (PSB-GO). Ele enviou ao TCU um levantamento que aponta gastos em 2022 na ordem de 3,9 milhões de reais com a compra de gêneros alimentícios e de 41,2 milhões de reais com serviços de transporte aéreo.

O senador afirma que a crise humanitária que assola comunidades Yanomamis ‘lança suspeição’ sobre os gastos.

“As despesas e os fatos são antagônicos”, afirma Kajuru. “É necessário que o Tribunal de Contas realize uma investigação detalhada, pois os recursos públicos foram supostamente aplicados, mas o resultado observado é de crise humanitária e ausência do Estado.”

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!