Empresa de Trump é condenada por fraude fiscal em Nova Iorque - Plataforma Media

Empresa de Trump é condenada por fraude fiscal em Nova Iorque

A empresa da família de Donald Trump, a Trump Organization, foi considerada culpada nesta terça-feira (6) de fraude e evasão fiscal por um júri de Nova Iorque – um duro golpe para o ex-presidente, que pretende retornar à Casa Branca.

Após um mês de audiências, o júri declarou a Trump Corporation e a Trump Payroll Corporation “culpadas de todas as acusações”, informou o promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg, no Twitter.

“Trata-se de um caso de cobiça e fraude. Em Manhattan, nenhuma empresa está acima da lei”, disse Bragg em um comunicado, no qual assinalou que esta é a primeira vez que uma empresa de propriedade de Trump foi condenada criminalmente.

Embora a Justiça limite-se a impor uma multa, que pode chegar a 1,5 milhão de dólares, o que não afetará muito as finanças do bilionário, esta condenação pode representar um duro golpe em sua reputação e prejudicar sua tentativa de voltar à Casa Branca em 2024.

O júri reconheceu que a Trump Organization – que atualmente é comandada por dois de seus filhos, Donald Jr. e Eric – pagou retribuições econômicas, sem declará-las, aos altos executivos entre 2005 e 2021.

“Não concordamos com o veredicto do júri”, disse à AFP Susan Necheles, advogada da equipe dos Trump, que anunciou que irão recorrer da decisão.

“Trama criminosa”

O ex-diretor financeiro da empresa e próximo de Donald Trump, Allen Weisselberg, tinha se declarado culpado no dia 18 de agosto de 15 acusações por fraude e evasão de impostos, totalizando 1,76 milhão de dólares em receitas não declaradas entre 2005 e 2021.

O ex-executivo, de 75 anos, que trabalhava para Trump desde 1973, foi uma das principais testemunhas e admitiu ter idealizado o esquema com a companhia para receber benefícios não declarados como o usufruto de um apartamento em um bairro chique de Manhattan, carros de luxo para ele e sua esposa, e o pagamento de matrículas em uma escola particular para seus netos.

Segundo o acordo alcançado com a promotoria, Weisselberg aceitou pagar quase 2 milhões de dólares em multas e uma condenação de cinco meses de prisão em troca de seu testemunho no julgamento, que teve início em outubro.

“Durante 13 anos, a Trump Corporation e a Trump Payroll Corporation operaram um esquema que recompensava os altos executivos com regalias luxuosas e compensações econômicas enquanto ocultava intencionalmente esses benefícios das autoridades fiscais para evitar o pagamento de impostos”, disse Bragg.

O veredicto de hoje “responsabiliza essas empresas de Trump por sua longa trama criminosa, assim como o diretor financeiro Allen Weisselberg, que se declarou culpado, testemunhou no julgamento e agora será condenado a penas de prisão”, garantiu o promotor.

“Caça às bruxas”

Em comunicado, Trump classificou a decisão como “a maior caça às bruxas política da história do país” e alegou que o caso afeta exclusivamente Allen Weisselberg. A família Trump, segundo o ex-presidente, não “sabia de nada”.

Pessoalmente, Donald Trump, de 76 anos, não é acusado neste caso, mas é alvo, juntamente com três dos seus filhos mais velhos, de outra investigação civil instaurada pela procuradora-geral de Nova Iorque, a democrata Letitia James, que os acusa de mentir à Receita, aos credores e às seguradoras em um esquema que alterava o valor de suas propriedades para enriquecer”.

Este julgamento é um dos muitos processos criminais e civis enfrentados por Trump, que foi convocado para testemunhar pela comissão do Congresso que investiga o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021.

Em outro caso, ele enfrenta acusações do Departamento de Justiça por possível obstrução da justiça e ocultação de documentos confidenciais retirados da Casa Branca.

Da mesma forma, o ex-presidente sentará no banco dos réus em abril em Nova Iorque, acusado de difamação por uma jornalista, que afirma ter sido estuprada por ele na década de 1990.

Este artigo está disponível em: English

Assine nossa Newsletter