Apresentar uma estratégia de recuperação do turismo em Macau para 2023-2033 - Plataforma Media

Apresentar uma estratégia de recuperação do turismo em Macau para 2023-2033

Nos últimos dois anos tem havido especulações sobre o turismo e a recuperação dos casinos locais – como e quando vamos resolver os problemas atuais. Uma solução que será ainda mais lenta para Macau, já que os confinamentos e restrições acrescentam dúvidas quanto ao estado da indústria na segunda metade do ano.

O setor está atualmente a lidar com o “agora”, procurando conter as perdas com controlo de custos e eficiência, enquanto lança pacotes promocionais para reunir algumas receitas e manter um certo nível operacional. O facto de os custos incorridos pela indústria terem de reverter subitamente às promoções do Ano Novo Chinês de 2020 também significa cautela no cálculo do retorno do investimento nos planos e promoções de meados do Outono de 2022.

Vou mudar um pouco o foco para Macau 2023-2033. A década enquadra-se no novo período de concessão de licenças, e essencialmente significa que o período pode ser categorizado como uma nova fase de desenvolvimento turístico. Estes próximos seis meses proporcionam tempo para consolidar e apresentar uma estratégia de recuperação a longo prazo. E dadas as consequências nefastas da Covid-19, é essencial construir também um quadro de resiliência turística, com o objetivo de limitar as consequências negativas de futuras crises.

O ciclo de feedback estratégico significa apresentar os resultados esperados e um quadro geral do ambiente turístico de Macau até 2033. A apresentação de vários “e se” na década de 2023-2033 significa que alguns cenários ou modelos de previsão não acontecerão como previsto. Contudo, é prática produtiva para as equipas de turismo e hospitalidade trabalharem através de processos e das muitas partes móveis que irão influenciar as futuras visitas à cidade – para compreender o perfil do visitante, padrão de gastos, motivos e expectativas. A atual política pandémica de tolerância zero continua a fazer parte do “e se”.

Existem múltiplas perspetivas macro e micro, incluindo a notável expansão nos últimos anos das infraestruturas físicas na Área da Grande Baía (travessias terrestres e fronteiriças, clusters de aeroportos, redes ferroviárias de alta velocidade e auto-estradas), para as várias questões de política e governação da cidade. Há muitas considerações, e cada dinâmica em termos de capacidade de influenciar futuras visitas a Macau – não importante hoje, mas mais importante amanhã ou vice-versa – mas apenas uma pode alterar o desenvolvimento do turismo. É difícil de fazer quando se lida com o desafio imediato que compreendo – mas se ao longo destes seis meses estudarmos certos cenários podemos ser capazes de lançar rapidamente programas de recuperação e de marketing.

E quanto a esta equipa de reflexão prospetiva? Quem lidera e como é financiada? Quem está envolvido (ou excluído)? Nos estudos de turismo, investigamos e falamos frequentemente sobre a teoria dos intervenientes e a importância da colaboração equitativa e das parcerias dos envolvidos – estudos de casos globais mostram que parcerias fortes e a formação de consensos podem desenvolver a indústria do turismo de forma saudável, sustentável e confiante. Naturalmente, cada empresa e departamento governamental pode ter a sua equipa a criar cenários para a recuperação de Macau e as melhores formas de a alavancar rapidamente. Macau, e particularmente o Cotai Strip, irá estabelecer a sua posição dentro da Área da Grande Baía, tanto em competição como em cooperação com várias cidades. Por conseguinte, quanto maior e mais ampla for a colaboração turística e a partilha de recursos em Macau, certamente maior será a distinção da imagem da cidade no destino – e, subsequentemente, poderá levar a um crescimento no número de visitas. A curto prazo, Macau pode também beneficiar do facto de a maioria das visitas serem provenientes da Grande Baía. Novos mercados levam tempo e investimento a cultivar, particularmente numa fase de recuperação, onde se tem de ser prudente nas despesas.

A incerteza e as conjeturas continuarão a circular no caminho da recuperação do turismo e dos casinos de Macau devido à pandemia e impactos em curso, mas isto ainda pode ser tido em conta em cenários de recuperação do turismo que vão até 2023. Contudo, como em todos os planos, o sucesso estará na sua execução. À medida que o tempo avança, é urgente agarrar a janela de oportunidade da década.

*Glenn McCartney publicou vários estudos sobre a recuperação do turismo pós-Covid-19 em revistas líderes ao longo dos últimos anos. É Reitor Associado (Currículo e Ensino) e Professor Associado na Faculdade de Gestão de Empresas, Universidade de Macau.

Assine nossa Newsletter