Mais 48 detidos em campos de internamento na China - Plataforma Media

Mais 48 detidos em campos de internamento na China

A Amnistia Internacional divulgou esta quarta-feira 48 novos testemunhos de familiares de vítimas detidas em campos de internamento na região de Xinjiang, China, para onde pessoas de minorias étnicas são levadas e ficam incontactáveis.

“Uigures, cazaques e outras minorias étnicas têm enfrentado detenções em massa, tortura e perseguições sistemáticas, organizadas pelo Estado, e que constituem crimes contra a humanidade. É evidente um número cada vez maior de famílias separadas de forma dolorosa e forçada, sem conseguirem contactar com os seus entes queridos que permanecem detidos e presos”, denunciou hoje a organização não-governamental (ONG), em comunicado.

Os novos testemunhos, recolhidos no âmbito da campanha “Libertem os detidos de Xinjiang”, totalizam 120 casos documentados pela Amnistia Internacional de cidadãos “arrastados para o sistema prisional e para os campos de internamento”.

“Na China, na região autónoma uigur de Xinjiang, pessoas uigures, cazaques ou de outras minorias étnicas, predominantemente muçulmanas, estão a ser presas por acusações de “terrorismo” ou outras acusações falsas, por terem viajado para fora do país, por terem pagado a educação dos filhos em estabelecimentos fora do país ou apenas pela sua religião ou etnia”, alertou a ONG., denuncia a Amnistia Internacional

Leia mais em Diário de Notícias

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MundoPolítica

Amnistia Internacional acusa Rússia de crimes de guerra na Ucrânia

AngolaPolítica

Autoridades estão a reprimir eventos da sociedade civil antes das eleições

Política

"Com armas suficientes, a guerra termina até ao fim do ano"

MundoPolítica

AI diz que Kiev terá de investigar mais de 10.000 crimes de guerra

Assine nossa Newsletter