Rússia alarga ano letivo a Mariupol para introduzir "currículo russo" -

Rússia alarga ano letivo a Mariupol para introduzir “currículo russo”

As novas autoridades russas estabelecidas na cidade ucraniana de Mariupol decidiram estender a este território o ano letivo para submeter os alunos ucranianos a um novo “currículo russo”, disse esta quinta-feira um conselheiro do poder local.

Mariupol está sob domínio militar da Rússia, que invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro.

Petro Andriushchenko, conselheiro do autarca ucraniano desta cidade costeira do sul da Ucrânia, fez o alerta esta quinta-feira na rede social Telegram, garantindo que os “inimigos russos” estão a tentar “desucranizar” as crianças do país.

“Os ocupantes anunciaram a extensão do ano letivo até 1 de setembro. Não há férias. O seu principal objetivo é ‘desucranizar’ as crianças em idade escolar e prepará-las para o currículo russo que terão que assumir no próximo ano letivo”, disse o conselheiro municipal.

Durante todo o verão, as crianças terão que estudar língua, literatura, história e matemática em russo, explicou.

“Os ocupantes planeiam abrir nove escolas. No entanto, até agora, só conseguiram encontrar 53 professores. O que significa seis professores por escola – esta é uma boa ilustração da educação russa em Mariupol sob ocupação da Rússia”, afirmou Andriushchenko.

O Exército russo implanta as suas administrações e sistemas de organização nas regiões ucranianas que ocupa desde que a invasão da Ucrânia começou em 24 de fevereiro, segundo as autoridades de Kiev.

Mariupol, na costa do Mar de Azov, foi a última cidade importante a ser conquistada militarmente pelos russos após um longo cerco que deixou a cidade praticamente destruída e a sua população esgotada, mergulhada numa grave crise humanitária.

Leia mais em TSF

Artigos relacionados
Política

Moscovo acusa Alemanha de 'histeria russofóbica'

Sociedade

Fotojornalista foi "executado a sangue-frio" por tropas russas

Política

Ucrânia e Rússia negociarão na Turquia sobre cereais

Política

Rússia diz que Ucrânia não tentou recomeçar negociações de paz

Assine nossa Newsletter