Banco de Portugal corta previsão de crescimento económico -

Banco de Portugal corta previsão de crescimento económico

O BdP cortou as previsões de crescimento económico em 2022 em 0,9 pontos percentuais, para 4,9%, devido ao impacto da guerra na Ucrânia e ao efeito carry over de 2021, mas num cenário adverso o PIB pode crescer 3,6%.

De acordo com o boletim económico de março, divulgado esta quinta-feira pelo Banco de Portugal (BdP), o Produto Interno Bruto (PIB) poderá crescer 4,9% em 2022, 2,9% em 2023 e 2,0% em 2024, “beneficiando de maiores recebimentos de fundos da União Europeia e da manutenção de condições financeiras favoráveis”.

Em dezembro, o regulador previa um crescimento da economia de 5,8% em 2022, 3,1% em 2023 e 2% em 2024.

As projeções hoje divulgadas para este ano ficam próximas das do Conselho das Finanças Públicas (CFP), que antecipa uma subida de 4,8%. A estimativa oficial do Ministério das Finanças é de 5,5% para este ano, mas o Governo já admitiu rever em baixa o cenário macroeconómico na proposta do Orçamento do Estado.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento prevê uma expansão do PIB de 5,8% e a Comissão Europeia de 5,5%. Já o Fundo Monetário Internacional espera um crescimento de 5,1%.

“A economia portuguesa mantém um perfil de crescimento em 2022-24, num contexto de incerteza acrescida associada ao conflito na Ucrânia”, refere o boletim económico do regulador, que destaca que “a invasão da Ucrânia pela Rússia contribui para limitar o dinamismo económico e para intensificar as pressões inflacionistas”.

O regulador bancário assinala que “o impacto negativo sobre a atividade decorre do agravamento da subida dos preços das matérias-primas, da redução da confiança dos agentes económicos, da turbulência nos mercados financeiros e dos efeitos das sanções comerciais e financeiras impostas à Rússia”, afirmando que as projeções assumem que “não se verifica uma escalada do conflito e que o impacto destes fatores e dos constrangimentos de oferta global se dissipam no médio prazo”.

A revisão em 2022 face às projeções de dezembro reflete, de acordo com a instituição, o menor crescimento no quarto trimestre de 2021 e indicadores mais fracos no primeiro trimestre, devido à quinta vaga da pandemia no final do ano passado e nas primeiras semanas de 2022 e ao conflito militar, “a par da redução do poder de compra devido à inflação e às hipóteses externas menos favoráveis”.

Leia mais em TSF

Related posts
MacauSociedade

Universidade de Macau aposta na internacionalização

AngolaPolítica

UNITA diz que Tribunal Constitucional aceitou providência cautelar

AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

EconomiaSociedade

Crise na energia vai deixar tudo mais caro

Sociedade

Um mês de guerra sangrenta em imagens

Política

Putin "já ultrapassou linha vermelha em barbárie"

MundoPolítica

NATO reforça apoio à Ucrânia, que mantém russos fora de Kiev

Assine nossa Newsletter