YouTube removerá vídeos que aleguem fraude nas eleições brasileiras

YouTube removerá vídeos que aleguem fraude nas eleições brasileiras

O YouTube anunciou esta terça-feira que removerá os vídeos que questionam a integridade das eleições brasileiras de 2018, entre outras medidas para combater a desinformação antes das eleições de outubro, nas quais o presidente Jair Bolsonaro tentará se reeleger

A exemplo da política aplicada nos Estados Unidos e na Alemanha nos últimos anos, a plataforma removerá vídeos “que promovam alegações falsas de que fraudes, erros ou problemas técnicos generalizados mudaram o resultado eleitoral” de 2018, informou o YouTube Brasil em um comunicado.

Bolsonaro questionou inúmeras vezes a confiabilidade do sistema brasileiro de votação eletrônica e enfrenta uma investigação judicial por alegar, sem provas, que em 2018 houve fraude que o impediu de vencer no primeiro turno.

Isso levantou temores de que o país possa repetir um cenário semelhante ao dos Estados Unidos, onde centenas de apoiadores do ex-presidente Donald Trump invadiram o Capitólio em janeiro de 2021, enfurecidos pelas alegações de que o republicano teria perdido a eleição para Joe Biden por uma fraude em massa.

O YouTube informou nesta terça que também não permitirá conteúdos enganosos sobre a hora ou o local da votação e “alegações falsas que podem desestimular a participação”, incluindo informações “falsas de que as urnas eletrônicas brasileiras foram hackeadas na última eleição presidencial e de que os votos foram adulterados”.

A pouco mais de seis meses das eleições, as pesquisas indicam que Bolsonaro deve enfrentar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) no segundo turno.

Em uma campanha muito polarizada, o combate à desinformação está no centro das preocupações das autoridades judiciárias brasileiras.

Na semana passada, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo 

Tribunal Federal (STF), determinou o bloqueio da plataforma de mensagens criptografadas Telegram, que ignorava suas sucessivas demandas judiciais.

O aplicativo, terreno fértil para desinformação e amplamente utilizado por grupos bolsonaristas, acabou tendo que ceder às ordens judiciais para reverter a suspensão. Excluiu, inclusive, uma publicação de agosto de 2021 em que Bolsonaro questionava a confiabilidade das urnas.

Também nomeou um representante legal no Brasil e se comprometeu com uma série de medidas para combater a desinformação durante as eleições.

Nesta terça-feira, o Telegram eliminou dois novos perfis atribuídos à militância bolsonarista, denominados “Liberdade de Expressão” e “Guerra de Informação”, com milhares de seguidores cada, de acordo com a GloboNews.

Bolsonaro descreveu a suspensão do Telegram como “inadmissível” e disse que ameaçava a “liberdade” dos brasileiros.

O presidente já teve outros conteúdos removidos do YouTube por divulgar informações falsas, entre eles uma transmissão ao vivo em que associava a vacina contra a covid-19 à Aids, que também foi retirada pelo Facebook e o Instagram.

Related posts
BrasilPolítica

Lula e Bolsonaro travam debate tenso a três dias das eleições

Guiné-BissauPolítica

São Tomé: Guiné-Bissau felicita ADI e Patrice Trovoada pela vitória

PolíticaSão Tomé e Príncipe

UMPP festeja “grande vitória” com “maioria qualificada” no Príncipe

MundoPolítica

Meloni reivindica liderança do próximo governo italiano

Assine nossa Newsletter