Sobrevivente de campo de concentração nazi morre na Ucrânia -

Sobrevivente de campo de concentração nazi morre na Ucrânia

O sobrevivente de um campo de concentração nazi Boris Romantschenko foi morto no bombardeamento do prédio onde habitava em Kharkiv, na Ucrânia, informou esta segunda-feira a Fundação Alemã Memorial de Buchenwald e Mittelbau.

“Um bombardeio atingiu o prédio de vários andares onde ele morava. O seu apartamento foi incendiado”, descreve a fundação num comunicado, expressando o seu “horror” e lamentação da “perda de um amigo próximo”.

Aos 96 anos, o ex-prisioneiro de Buchenwald e vice-presidente do Comité Internacional Buchenwald-Dora para a Ucrânia morreu na sexta-feira, acrescentou a organização, que especifica que foi informada da sua morte pela sua neta.

Boris Romantschenko foi deportado para a Alemanha em 1942, aos 16 anos, como trabalhador forçado. Foi depois de uma tentativa de fuga que foi enviado para o campo de concentração de Buchenwald no centro da Alemanha em 1943.

O ex-prisioneiro foi internado em Peenemünde, Mittelbau-Dora e Bergen-Belsen, de acordo com a fundação.

Antes de regressar à Ucrânia, Boris Romantschenko teve que servir durante vários anos no Exército soviético estacionado na Alemanha Oriental, segundo a associação de caridade Maximilian Kolbe, envolvida em apoio material e psicológico a ex-prisioneiros de campos de concentração.

A associação estava em contacto há vários anos com Boris Romantschenko, que estava doente e mal podia sair apartamento onde morava sozinho, no oitavo andar de um prédio em Kharkiv, explicou à agência de notícias AFP uma funcionária.

“A terrível morte de Boris Romantschenko mostra o quanto a guerra na Ucrânia é uma ameaça para os sobreviventes dos campos de concentração”, ressaltou a Fundação Memorial de Buchenwald e Mittelbau-Dora, que está a tentar enviar medicamentos e alimentos aos ucranianos cercados.

A fundação estima que cerca de 42.000 sobreviventes da perseguição nazi vivem atualmente na Ucrânia.

Leia mais em Diário de Notícias

Related posts
MacauSociedade

Universidade de Macau aposta na internacionalização

AngolaPolítica

UNITA diz que Tribunal Constitucional aceitou providência cautelar

AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

Política

Ucrânia diz que russos só têm munições e comida para três dias

ChinaMundo

Ucrânia: China quer ser “potência responsável”, limitando os efeitos da ligação ao Kremlin

MundoPolítica

Guerra russo-ucraniana desarma chefe da ONU

EconomiaMundo

EUA: Fed preparada para acelerar subida de taxas de juro

Assine nossa Newsletter