Cabo Verde Airlines reinicia operações com duas ligações Praia–Lisboa

Cabo Verde Airlines reinicia operações com duas ligações Praia–Lisboa

A Cabo Verde Airlines vai retomar as operações a 27 de dezembro, com duas ligações semanais Praia–Lisboa, informou ontem a companhia de bandeira cabo-verdiana. Uma retoma será gradual

“A TACV retomará oficialmente os voos internacionais a partir de 27 de dezembro, ligando Praia a Lisboa, com duas frequências semanais às segundas e sextas-feiras”, informou a companhia em comunicado Sara Helena Pires.

A data da retoma coincide com a comemoração do 63.º aniversário da companhia, “dando um toque muito especial ao momento”.

“Por isso, apelamos a todos os cabo-verdianos, no país e na diáspora, que voem com a TACV, a nossa companhia de bandeira”, prosseguiu Sara Pires, informando que, numa fase inicial, as vendas de bilhetes estarão disponíveis online, através do site www.caboverdeairlines.com.

A presidente disse que as agências de viagens parceiras estarão brevemente capacitadas para a comercialização dos voos da TACV, Cabo Verde Airlines, nome comercial da companhia.

Neste momento, a retoma será gradual, tendo em conta as incertezas e bloqueios em resultado da evolução da pandemia do covid-19, e a recuperação dos mercados emissores.

Leia também: Cabo Verde Airlines anuncia cancelamento de todos os voos

“Perspetivando a estabilização dos mercados e um gradual aumento da procura, no decorrer do primeiro trimestre de 2022, serão introduzidos voos semanais a partir de Mindelo e da ilha do Sal”, frisou.

A companhia passará ainda a dispor de um programa de rebate de vouchers de voos não realizados, que permite o agendamento de viagens até dois anos após a emissão e que “visa compensar os passageiros pelos voos cancelados, fruto da súbita pandemia que assolou todas as companhias aéreas”, frisou Sara Pires.

Anteriormente, o Governo tinha apontado a retoma dos Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV), que não operam voos comerciais desde março de 2020, devido à pandemia de covid-19, durante o primeiro trimestre de 2022.

Em março de 2019, o Estado de Cabo Verde vendeu 51% da TACV por 1,3 milhão de euros à Lofleidir Cabo Verde, empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF (grupo Icelandair, que ficou com 36% da Cabo Verde Airlines – nome comercial da companhia) e em 30% por empresários islandeses com experiência no setor da aviação (que assumiram os restantes 15% da quota de 51% privatizada).

O Estado cabo-verdiano assumiu em 06 de julho a posição de 51% na TACV, alegando vários incumprimentos na gestão e dissolvendo de imediato os corpos sociais.

Em 26 de novembro, a Loftleidir Cabo Verde anunciou que deu início a um processo arbitral contra o Estado cabo-verdiano alegando “violação dos acordos celebrados entre as partes”, face à renacionalização companhia aérea de bandeira TACV.

Em comunicado enviado à Lusa, o grupo de origem islandesa refere que o processo arbitral decorre junto do International Court of Arbitration de Paris e afirma que a Loftleidir Cabo Verde “já tinha rejeitado todas as acusações de incumprimento contratual alegadas pelo Estado” cabo-verdiano.

O Estado de Cabo Verde “rescindiu de forma unilateral o contrato celebrado entre as partes”, gerando assim avultados prejuízos para a Loftleidir Cabo Verde”, acrescentou.

Related posts
Cabo Verde

Cabo Verde Airlines suspende atividade por 30 dias após anúncio de renacionalização

Cabo VerdeEconomia

Governo cabo-verdiano ainda tem a receber 432 mil euros da venda da companhia aérea nacional

Cabo VerdeEconomia

Aval do Estado permite empréstimo de emergência para salários na Cabo Verde Airlines

Cabo VerdeEconomia

Intervenção na Cabo Verde Airlines é “inevitável” e avançará em breve

Assine nossa Newsletter