Grupo opositor cubano denuncia repressão e prorroga protesto

Grupo opositor cubano denuncia repressão e prorroga protesto

O grupo de oposição Arquipélago denunciou nesta terça-feira (16) que a “extrema militarização das ruas” e o cerco a mais de 100 ativistas em Cuba impediram a passeata prevista para ontem, motivo pelo qual irá prorrogar até o próximo dia 27 as ações de protesto

O governo respondeu com uma “militarização extrema das ruas, mais de 100 ativistas sitiados, prisões arbitrárias, desaparecimentos forçados, atos de repúdio, violência, ameaças, coerção e discurso de ódio”, diz um comunicado enviado à AFP pelo grupo de debate político, que organizou a frustrada manifestação de segunda-feira, 15 de novembro.

Com 30 mil membros dentro e fora da ilha, o Arquipélago tinha convocado a passeata pela libertação dos presos políticos, pelos direitos dos cidadãos e pela democracia, apesar de as autoridades terem proibido esse protesto e alertado para sanções penais.

“O ressurgimento da repressão contra cidadãos e manifestantes pacíficos não é e não será aceito”, diz a nota, que chama a continuidade das ações.  O grupo pede a seus seguidores que vistam branco e usem rosas brancas como emblemas, façam vídeos individuais e participem de um “panelaço” durante as noites.

O Arquipélago denunciou mais tarde que uma de suas coordenadoras, Daniela Rojo, que havia dado como desaparecida há três dias, “foi sequestrada pela Segurança do Estado”, segundo comunicou à família da mesma um oficial dessa entidade, sem informar onde ela é mantida.

Fim da violência

Em e-mail enviado à AFP nesta terça-feira, a plataforma de oposição Cuba Decide informou que foram registradas ontem “pelo menos 100 prisões arbitrárias, e 131 pessoas foram impedidas pela polícia de sair de casa”. Segundo a opositora Martha Beatriz Roque, sete opositores  permanecem presos nas províncias de Matanzas e Cienfuegos.

O dramaturgo Yunior García, 39, líder do Arquipélago, estava incomunicável desde a tarde de domingo, após ser impedido de fazer uma marcha solitária por uma avenida de Havana. Um colaborador do grupo foi hoje à casa de García e ninguém respondeu à campainha.

O dia 27 de novembro marca o primeiro aniversário da manifestação de mais de 300 jovens artistas em frente ao Ministério da Cultura de Cuba, reivindicando a liberdade de expressão.

O grupo continua a exigir que “todos os presos políticos sejam libertados”, liberdade de expressão e direito de reunião, o fim dos atos de repúdio e “todo tipo de violência por motivos políticos”.

A convocação surgiu após as históricas manifestações que eclodiram espontaneamente em 11 de julho sob gritos de “Liberdade” e “Estamos com fome”, resultando em uma morte, dezenas de feridos e 1.270 detidos, dos quais 658 ainda estão presos, segundo a ONG de direitos humanos Cubalex.

Related posts
MundoSociedade

EUA e México com programa de desenvolvimento da América Central

MundoSociedade

Biden acredita que fim da transmissão do HIV está 'ao alcance'

Lifestyle

Espada que Napoleão usou no golpe de Estado de 1799 será leiloada

ChinaPolítica

Washington quer reforçar posição militar contra China e Rússia

Assine nossa Newsletter