Putin diz que manobras dos EUA no Mar Negro são 'provocação'

Putin diz que manobras dos EUA no Mar Negro são ‘provocação’

O presidente da Rússia descreveu esta segunda-feira (15) como “provocação” as manobras militares realizadas pelos Estados Unidos e pela NATO no Mar Negro, durante uma conversa por telefone com seu homólogo francês, Emmanuel Macron, informou o Kremlin

Putin descreve as manobras dos EUA como provocação. Durante o diálogo, Putin se referiu ao “caráter provocativo das manobras em grande escala realizadas pelos Estados Unidos e alguns de seus aliados no Mar Negro, que reforçam as tensões entre a Rússia e a NATO“, disse o Kremlin em um comunicado.

O presidente russo parecia estar-se a referir à participação de vários navios militares dos EUA em manobras no Mar Negro que Moscovo disse na semana passada estar a “monitorar” e que Putin chamou de “sério desafio”.

As suas declarações ocorrem num contexto de crescente tensão pelo conflito na Ucrânia, um país banhado pelo Mar Negro.

A situação nesta região é bastante complicada desde que a Rússia anexou a península ucraniana da Crimeia em 2014. Há mais de sete anos, que a Ucrânia está em conflito com separatistas pró-russos no leste de seu território.

Os Estados Unidos e a União Europeia expressaram preocupação com o recente envio de tropas russas para a fronteira com a Ucrânia.

Na sua conversa telefónica com Putin na segunda, Macron expressou a sua “disposição de defender a integridade territorial da Ucrânia”, segundo a presidência francesa.

Em Washington, o porta-voz do Pentágono, John Kirby, rejeitou as críticas contra as manobras americanas e garantiu que a atividade militar russa perto da Ucrânia “nos preocupa”.

“Todos os nossos exercícios são defensivos por natureza e estão no âmbito de nossas alianças na região”, declarou Kirby.

Pelo contrário, “não houve nenhuma transparência do lado russo sobre a concentração de forças no oeste de seu país”, completou.

Desde a anexação da Crimeia em 2014, o conflito na Ucrânia já deixou mais de 13.000 mortos.

Related posts
MundoSociedade

Primeiros sinais de gravidade da ómicron são "encorajadores"

BrasilPolítica

EUA confiam plenamente que o Brasil terá eleições 'livres e justas'

ChinaMacau

Macau defende constituição de conselhos de defesa da segurança nacional

EconomiaMundo

Congresso dos EUA evita paralisação do Governo Federal

Assine nossa Newsletter