Blinken e Vitorino discutem reforço da gestão das migrações

Blinken e Vitorino discutem reforço da gestão das migrações

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Antony Blinken, reuniu-se ontem com António Vitorino, diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), em Washington, para discutir a necessidade de mais esforços na gestão das migrações nas Américas

Blinken começou por felicitar António Vitorino pelo 70.º aniversário da OIM, que se assinala em dezembro, e dar as boas-vindas às duas novas diretoras-gerais adjuntas da OIM, Amy Pope e Ugochi Daniels, também presentes no encontro, agradecendo depois à OIM “pelos esforços contínuos para fornecer assistência humanitária ao povo do Afeganistão”, revelou Ned Price, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, em nota enviada à Lusa.

Os dois responsáveis discutiram também “a necessidade de esforços mais coordenados e coesos na gestão das migrações nas Américas, incluindo a abordagem das causas profundas das migrações irregulares”, acrescentou a mesma fonte.

Blinken destacou ainda o reforço da liderança dos EUA em questões humanitárias, sobretudo no que respeita ao reassentamento de refugiados, e o compromisso dos EUA em trabalhar com parceiros internacionais para enfrentar os desafios comuns das migrações, incluindo o impacto das alterações climáticas nas movimentações de pessoas.

Momentos antes do encontro, António Vitorino manifestara a sua satisfação por estar presente na reunião e destacou o bom exemplo de cooperação entre a OIM e o Departamento de Estado dos Estados Unidos.

Dirigindo-se a Blinken, referiu o Departamento de Estado norte-americano, “mencionou a cooperação muito recente em termos da deslocalização de afegãos” através de operação conjunta, que considerou um “excelente exemplo de muito bom entendimento e cooperação entre o Departamento de Estado e o Governo dos EUA em geral e a OIM”.

António Vitorino lembrou, a propósito, não ser esta a única matéria de cooperação entre a OIM e o Governo norte-americano.

“Temos um grande número de questões em cima da mesa, em que partilhamos as preocupações sobre a situação humanitária no mundo, a necessidade de trazer paz e estabilidade, e de ser e fazer melhor na gestão das migrações, seja na América Central, em África, ou no Médio Oriente”, afirmou, acrescentando estar certo de que este “apoio de longa data continuará no futuro”.

Related posts
MundoSociedade

EUA e México com programa de desenvolvimento da América Central

MundoSociedade

Biden acredita que fim da transmissão do HIV está 'ao alcance'

Lifestyle

Espada que Napoleão usou no golpe de Estado de 1799 será leiloada

ChinaPolítica

Washington quer reforçar posição militar contra China e Rússia

Assine nossa Newsletter