Golos e carinho para moralizar. Sporting garante Europa e quer mais -

Golos e carinho para moralizar. Sporting garante Europa e quer mais

Quem tem um Pote para meter os milhões da Liga dos Campeões bem pode sonhar com o apuramento para os oitavos de final da prova. Ainda mais depois de mais uma goleada ao Besiktas (4-0) e do Ajax ter ajudado ao vencer o Borrusia Dortmund (3-1). Para já, os leões garantiram a continuidade na Europa, mas Rúben Amorim, treinador do Sporting, já avisou que quer mais e já no dia 24 recebe os alemães.

O treinador leonino apresentou o mesmo onze que venceu o Vit. Guimarães na I Liga, apostando na velocidade de Sarabia e Pedro Gonçalves para servir Paulinho. Já Sergei Yalçin sabia que tinha de ter atenção às bolas paradas – foi assim que sofreu quatro golos no jogo de Istambul – e fez cinco alterações em relação ao onze da derrota com o Hatayspor (1-0) da liga turca.

Foi um leão com fome de Champions o que entrou (e desfilou) ontem no relvado de Alvalade frente a um Besiktas muito frágil. Aos dez minutos de jogo e o Sporting já lamentava duas claras oportunidades de golo perdidas por Paulinho. O primeiro remate bateu na trave e o segundo foi travado por Ersin Destanoglu. As bancadas dividiam-se entre as palmas pelo quase golo e as mãos na cabeça como quem diz… “que falhanço Paulinho”. O balneário parece estar com ele como se viu no aplauso espontâneo de Feddal. O carinho do marroquino iria dar-lhe alento para voltar aos golos no segundo tempo.

Não foi um duelo de sentido único… o Sporting é que foi muito mais forte em todos os momentos do jogo. Cyle Larin mediu a resistência das luvas de Adán aos 14 minutos e o mesmo Larin (de ângulo difícil) falhou o golo aos 28 minutos. Quem não perdoou foi Pedro Gonçalves. Logo no minuto seguinte foi à área turca sacar uma grande penalidade e transformá-la em vantagem para os leões. E ainda aumentou o marcador numa jogada fenomenal.

Pote como é conhecido o médio goleador leonino já não marcava há oito partidas e antes do jogo confessou sentir falta dos golos, garantindo que eles iam aparecer. E apareceram ontem e em dose dupla. Fez dois em 38 minutos e ainda viu Paulinho acabar com a malapata antes do intervalo. Rúben Amorim festejou efusivamente o golo do camisola 21, sinal de alegria e alívio de quem sempre defendeu a utilidade e importância do jogador para a equipa mesmo sem marcar. Paulinho pode não ser consensual, mas os amantes da estatística defenderão que esteve envolvido em 50% dos golos do Sporting nesta Champions e já ter marcado por três vezes na prova milionária.

Leia mais em Diário de Notícias

Assine nossa Newsletter