Mesmo fragilizado Biden pretende liderar reunião do G20 e COP26

Mesmo fragilizado Biden pretende liderar reunião do G20 e COP26

Ele ofendeu ou esfriou o ânimo dos aliados, reduziu grandes projetos de reforma e não poderá enfrentar Xi ou Putin… Mesmo assim, Joe Biden pretende participar da reunião do G20 e da COP26 como representante de um país que deseja voltar ao primeiro plano

É um Biden fragilizado que aparecerá nas reuniões do G20 e COP26. O presidente dos Estados Unidos embarca na próxima quinta-feira para a Itália, onde acontecerá no fim de semana a reunião de cúpula das 20 maiores economias do mundo. Em seguida, partirá para o Reino Unido, onde participará da conferência internacional sobre o clima COP26.

Biden, que tem buscado assumir o papel de “líder do mundo livre” (abandonado por Donald Trump) e que se apresenta como chefe das forças democráticas ante as potências autoritárias, lideradas pela China, deve liderar esses dois eventos sem problemas. Os presidentes chinês e russo não participarão dos encontros, devido a preocupações sanitárias

Vaticano

Antes desses eventos, o presidente americano, um católico fervoroso, irá se reunir com o Papa na sexta-feira, no Vaticano. Nesse mesmo dia, terá um encontro com o presidente francês, Emmanuel Macron, para virar a página da crise envolvendo contratos de compra de submarinos, um assunto que, assim como a retirada caótica do Afeganistão, pesam sobre a aura de Biden, que repete que “os Estados Unidos estão de volta”.

Antes disso, os aliados americanos haviam aplaudido Biden durante a reunião de junho do G7, celebrando o retorno dos Estados Unidos ao acordo climático de Paris, bem como sua disposição de negociar com o Irã e a Coreia do Norte, e sua determinação a acabar com a pandemia.

Nesta terça-feira, seu assessor de Segurança Nacional, Jake Sullivan, afirmou que a relação entre os Estados Unidos e os europeus vai muito bem. Já Heather Conley, do Centro para Estudos Estratégicos Internacionais, disse ontem em entrevista telefônica que os quatro meses e meio transcorridos desde o G7 “esfriaram o ânimo dos europeus”.

‘Desastre climático’

Apesar de fragilizado Biden estará nas reuniões do G20 e COP26. No G20, os Estados Unidos não hesitarão em afirmar seu papel de motor na implementação de um imposto mínimo para as empresas no mundo e na distribuição internacional de vacinas. Também espera compromissos financeiros de seus parceiros em favor de países pobres e da transição energética.

Biden, cujo índice de confiança segue caindo, pretende abordar dois problemas bastante concretos para os americanos: o aumento dos preços da energia e as perturbações persistentes no comércio mundial. Em Glasgow, ele defenderá, segundo Jake Sullivan, a ideia de que “não existe contradição” entre o combate às mudanças climáticas e a busca por prosperidade econômica.

Washington não quer apresentar a transição energética como uma coerção ou um sacrifício, apesar das mensagens alarmistas da ONU, repetidas nesta terça-feira, sobre o “desastre climático” que está por vir. “Vocês verão o que quer dizer fazer política externa para a classe média americana”, disse Sullivan na última quarta-feira, como se fosse necessário esclarecer que, mesmo no cenário internacional, Joe Biden nunca perde de vista os interesses nacionais.

Related posts
MundoSociedade

EUA e México com programa de desenvolvimento da América Central

MundoSociedade

Biden acredita que fim da transmissão do HIV está 'ao alcance'

Lifestyle

Espada que Napoleão usou no golpe de Estado de 1799 será leiloada

ChinaPolítica

Washington quer reforçar posição militar contra China e Rússia

Assine nossa Newsletter