Conselho da República quer mais vacinação contra Covid -

Conselho da República quer mais vacinação contra Covid

O Conselho da República, órgão colegial de consulta do Chefe de Estado, manifestou, segunda-feira (25), o desejo de ver as informações sobre a pandemia da Covid-19 a serem difundidas, também, em línguas nacionais, a fim de alcançar mais pessoas e, com, isso, preveni-las da doença.

O órgão, reunido sob orientação do Presidente da República, deseja, igualmente, ver melhorada a comunicação por parte da Comissão Multissectorial de Prevenção e Combate à Covid-19, para que seja travada, a tempo, a desinformação e ampliada a sensibilização da população, bem como reforçada a mobilização para uma adesão em massa ao processo de vacinação e observação das medidas de prevenção.

Tendo em conta que a pandemia continua a constituir uma grave ameaça à vida dos cidadãos e ao crescimento económico do país, o Conselho da República de Angola ressaltou que a estratégia mais eficaz de prevenção e combate contra a doença é a vacinação da população, razão pela qual exortou o Executivo a empreender mais esforços, no sentido de adquirir mais vacinas, tendo em vista a meta de se assegurar uma cobertura de vacinação de 60 por cento da população.

Os participantes ao encontro defenderam, ainda, o reforço do apoio às comunidades urbanas, periurbanas e rurais com kits de material de biossegurança, aumento dos postos de vacinação e de oferta de transportes públicos, para diminuir a aglomeração de cidadãos, situação que potencia a propagação do vírus no seio das populações.

O Conselho da República reconheceu, entretanto, o trabalho “positivo e exemplar” levado a cabo pela Comissão Multissectorial de Prevenção e Combate à Covid-19 e, de uma forma geral, pelo Executivo.

“A situação epidemiológica da Covid-19 tem tendência crescente de transmissão do vírus SARS-COV-2 no seio das populações, por força da circulação de novas variantes, observando-se, agora, a terceira vaga no país, com o pico neste mês”, lê-se no comunicado distribuído no final da reunião.

Leia mais em Jornal de Angola

Assine nossa Newsletter