'James Bond' põe fim à espera e volta às telas para salvar o cinema

‘James Bond’ põe fim à espera e volta às telas para salvar o cinema

O capítulo mais recente das aventuras de “James Bond”, “007 – sem Tempo para Morrer”, teve sua pré-estreia esta terça-feira em Londres, um filme de ação repleto de surpresas, em que Caniel Craig oferece a versão mais humana do popular agente secreto

Longamente aguardado após vários adiamentos por conta da pandemia, o 25ª longa metragem do agente “007” estreia nesta quinta-feira no Reino Unido e um dia depois em Espanha e parte da América Latina. No filme, Craig coloca-se a serviço de Sua Majestade pela última vez, e o nome de seu substituto ainda é um mistério. O fim do filme, que quebra vários códigos da franquia, deixa todas as hipóteses em aberto.

“O Covid complicou tudo, mas estamos aqui, lançámos o filme e eu não poderia estar mais feliz”, disse Craig, que vestia um fato de veludo rosa, à chuva que caía sobre a capital britânica.

Compareceram à pré-estreia a iconoclasta estrela do pop Billie Eilish, 19, a cantora mais jovem a compor e interpretar músicas para a saga, e a realeza britânica, representada pelos príncipes Charles e William e suas mulheres.

Britânica de origem jamaicana, Lashana Lynch interpreta uma nova agente do MI6, feminina e negra, pela qual Bond é relegado do controle de um avião, o que representa uma mudança de paradigma em relação ao sexismo dos filmes anteriores. “É um momento incrível ter uma protagonista negra no filme”, disse Lashana.

Missão: salvar o cinema

Inicialmente prevista para abril de 2020, a produção enfrentou uma longa lista de contratempos, incluindo 18 meses de uma pandemia que deixou as salas de cinema fechadas ou vazias.

Agora, o desafio é fazer com que os espectadores regressem às salas. E muitos esperam que a estreia do 25º filme da série do agente 007, que a rede Vue Entertainment apresenta como o “evento cinematográfico do ano”, represente uma retoma do setor.

“Há uma grande expectativa”, admitiu Craig antes da estreia. Ele declarou que espera “dar algum tipo de impulso à indústria” com o filme de 2 horas e 43 minutos, o mais longo da série, que terá estreia exclusiva nos cinemas.

O tapete vermelho do Royal Albert Hall de Londres recebeu o ator inglês e seus colegas de elenco, incluindo a cubano-espanhola Ana de Armas, o americano Rami Malek e a francesa Léa Seydoux. 

Sexismo e papéis femininos

Após bater alguns recordes dos seus antecessores, desde que o escocês Sean Connery interpretou em 1962 o agente secreto criado pelo escritor Ian Fleming em “007 contra o Satânico Dr. No”, Craig, 53 anos, deixará a série após este filme.

Criticado em 2006 ao assumir o papel de 007 em “Cassino Royale”, o ator foi elogiado mais tarde por dar profundidade e complexidade emocional ao personagem. Após “007 – Contra Spectre” de 2015, declarou à revista “Time Out” que preferia “cortar os pulsos” a voltar ao papel, mas acabou aceitando a nova missão, desta vez sob a direção de Cary Joji Fukunaga.

Primeiro cineasta americano a dirigir um filme de James Bond, o californiano tornou-se famoso com a aclamada primeira temporada da série “True Detective” (2014) e o filme “Beasts of No Nation” (2015). 

Fukunaga assumiu o projeto depois que o cineasta britânico Danny Boyle – diretor de filmes como “Trainspotting” e “Quem Quer Ser um Milionário”? — anunciou a saída da produção por “diferenças criativas” com os produtores, o que provocou o primeiro atraso da longa-metragem inicialmente prevista para estrear no fim de 2019.

Rodado na Jamaica, Itália e Noruega, com um custo avaliado em 250 milhões de dólares, o filme também foi adiado por acidentes durante as gravações e uma lesão de Craig.

A história começa com um 007 aposentado que descansa na Jamaica. Mas sua tranquilidade é interrompida quando um antigo amigo da CIA, Felix Leiter, pede ajuda para o resgate de um cientista sequestrado. 

Bond tem que trabalhar com uma agente, interpretada pela britânica Lashana Lynch, e vê-se relegado para segundo plano quando ela pilota um avião. “Estão fazendo o correto e acredito que continuarão o fazendo no futuro”, declarou a atriz ao canal Sky News Lynch.

Após a estreia tão aguardada, o mistério fica por conta de quem interpretará 007 após Craig. A produtora Barbara Broccoli considera que o personagem deve continuar sendo interpretado por um homem.

Related posts
CulturaPortugal

Filme português "Diários de Otsoga” no Festival de Cinema de Londres

Cultura

Cineasta francesa Audrey Diwan vence Leão de Ouro de Veneza

CulturaEntrevista

'A pandemia estimulou a criatividade', afirma diretor do Festival de Veneza

CulturaMacau

‘A Lenda do Grande Prémio de Macau’ nomeado para óscares do automobilismo

Assine nossa Newsletter