Necrotérios tailandeses estão lotados de vítimas da covid-19 - Plataforma Media

Necrotérios tailandeses estão lotados de vítimas da covid-19

Na Tailândia, os necrotérios lotados de vítimas da covid-19 alugam contêineres refrigerados para armazenar os corpos, em meio à exaustão das equipes médicas e sanitárias.

“A sobrecarga física e mental é muito alta (…) alguns dos nossos funcionários desmaiam. Estamos no limite das nossas capacidades”, desabafa Thanitchet Khetkham, funcionário do necrotério do Hospital Universitário Thammasat, ao norte de Bangcoc.

Vestido com traje de proteção, luvas, viseira e máscara facial, o trabalhador examina, com o auxílio de um cotonete, um enésimo corpo que acaba de chegar ao seu serviço.

Se ele for positivo para a covid-19, nenhuma necropsia poderá ser realizada e será cremado rapidamente em um crematório.

O serviço de Thanitchet Khetkham está sobrecarregado há vários dias. Foi preciso alugar um contêiner. Antes usado para armazenar produtos perecíveis, foi transformado em depósito para os cadáveres.

Se isso continuar, “precisaremos de mais”, afirma o jovem.

Depois de superar 2020 com um pequeno número de casos de covid-19, a Tailândia se encontra agora em uma situação de pandemia muito vulnerável – assim como outros países asiáticos -, em grande parte devido à variante Delta.

Nesta quinta-feira (5), cerca de 21 mil novos casos foram registrados, algo nunca visto desde o início da crise de saúde.

E houve 160 mortes, a grande maioria em Bangcoc.

A megalópole de dez milhões de habitantes e parte do país estão sob severas restrições, e um toque de recolher noturno foi imposto. 

Apesar do quadro dramático, a campanha de vacinação avança lentamente. Apenas quatro milhões dos 70 milhões de tailandeses receberam duas doses da vacina. O governo do primeiro-ministro Prayut Chan-O-Cha é criticado por sua gestão da crise.

“Antes do final do ano, planejamos administrar pelo menos 10 milhões de doses por mês”, declarou o porta-voz do governo, Anucha Burapachaisri.

Por enquanto, os corpos dos mortos por covid-19 permanecem em suas casas por vários dias até que as equipes médicas possam cuidar deles. 

“Devemos continuar fazendo nosso trabalho até que não possamos mais”, disse Thippailin Phinjirapong, legista do necrotério de Thammasat. 

Mas isso requer mais pessoal, ele insiste. 

“O número de funcionários é o mesmo de antes da pandemia, mas o trabalho que fazemos triplicou. E se um de nós ficar doente?”, pergunta ele.

Assine nossa Newsletter