Concursos desertos e obras mais caras atrasam ferrovia - Plataforma Media

Concursos desertos e obras mais caras atrasam ferrovia

Infraestruturas de Portugal tem novo calendário para trabalhos no Ferrovia 2020. Praticamente todos os troços ficarão concluídos no prazo limite para obter fundos comunitários.

As obras prioritárias nas linhas de comboio vão ficar mais caras do que estava previsto. A subida do preço dos materiais de construção e a necessidade de abrir novos concursos públicos para atrair candidatos explicam a opção da Infraestruturas de Portugal (IP).

A gestora da rede ferroviária nacional tem novo calendário para os trabalhos do Ferrovia 2020, inicialmente avaliados em 2,175 mil milhões de euros: quase todos os troços intervencionados apenas ficarão prontos na data limite para obter fundos comunitários.

Questionada pelo Dinheiro Vivo, fonte oficial indica que a IP “tem estado a analisar os valores base dos concursos que está a lançar, em consequência do acompanhamento que faz da variação para cima dos custos das matérias primas bem como da mão de obra”.

No final de maio, a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) já dava conta das dificuldades em lidar com a escalada de preços das matérias primas e da escassez de oferta perante tanta procura.

Leia mais em Diário de Notícias

Assine nossa Newsletter