"Para se ter sucesso numa rede social a melhor receita é o máximo de raiva"

“Para se ter sucesso numa rede social a melhor receita é o máximo de raiva”

O título do mais recente livro de Francisco Louçã é provocador: O Futuro Já Não É O Que Nunca Foi. É a vez do político e economista ser substituído pelo ensaísta e em duzentas páginas confrontar o leitor com uma análise de um nada admirável mundo novo. Outros lançamentos: D. António Ribeiro, de José António santos e Ricardo de Saaverda, e Einstein e Lenine em Moscovo, de Boris Hessen

Desta vez, o leitor tem de separar Francisco Louçã daquele que melhor conhece de declarações políticas e deixar-se levar por uma perspicaz radiografia pelas grandes alterações sociais – e tecnológicas – vividas no planeta neste século XXI; as de antes, as de durante e as que se preveem ser as do pós-pandemia da covid-19. Quanto à mudança de registo neste volume, Louçã não nega que “a identidade de cada pessoa seja sempre única”. Afirma que tem “uma história e faço parte dela. Este livro é mais ensaístico no sentido de ser mais de reflexão e menos de proposta”. Sendo o primeiro livro com este perfil, a justificação de o escrever é: “Perceber o mundo e o modo como podemos intervir nele, antecipar problemas, trazer ideias e soluções”.

As razões para ter escrito O Futuro Já Não É O que Nunca Foi devem-se às “dificuldades que a democracia enfrenta devido à poluição comunicacional e à perturbação da organização da hegemonia que ameaçam o quotidiano e exigem muito mais do que uma visão simplista e de curto prazo”. Está consciente de que esta é uma reflexão difícil, principalmente pelo que está na origem das mudanças na sociedade. Dá exemplos: “A sociedade do medo, a criação do susto como forma de comunicação, a perturbação permanente das relações entre pessoas. Situações que degradam não só a democracia mas alteram a forma de ver.”

É um trabalho que não resulta de mais tempo livre durante a pandemia, garante: “Deve-se a ter escrito três longos ensaios, os quais modifiquei bastante nesta versão. O primeiro era sobre a sociedade do medo e o paradoxo criado pela pandemia, um vírus que nos faz ter medo das pessoas que mais amamos ou de que somos mais próximos e com quem a aproximação é perigosa.” Acredita que o vírus “será sempre passageiro, mas a sociedade do medo evoca outro tipo de perceções e de fragilidades, bem como de imposição da regra e da mudança do senso comum”, o que o levou a perguntar “porque num século XXI, iluminado pela razão, é um tempo de obscurantismo que ressurge, bem como de violência, de submissão e de desprezo pelos outros, impondo-se uma cultura de raiva como forma de organização do poder. Um quadro que é novo, mas irá muito além dos meses de pandemia que ainda estamos a viver.”

Leia mais em Diário de Notícias

Related posts
Cultura

Prémio Booker revela 13 nomeados para edição de 2021

AngolaCultura

Vladimir Prata apresenta livro no Namibe

Cultura

Livro sobre Camilo Pessanha apresentado em Lisboa

CulturaMacau

Wong Sio Chak não exclui que livros possam ser ameaça à segurança nacional

Assine nossa Newsletter