Febre das criptomoedas pode ser passageira, minimiza vice da Reserva Federal dos EUA - Plataforma Media

Febre das criptomoedas pode ser passageira, minimiza vice da Reserva Federal dos EUA

O frenesim pelo modelo digital, incluindo a criação de criptomoedas oficiais, pode se assemelhar a uma moda passageira infeliz, declarou nesta segunda-feira o vice-presidente da Reserva Federal (Fed) dos Estados Unidos da América, Randal Quarles.

“O entusiasmo de séculos dos Estados Unidos por novidades” foi, na sua maior parte, benéfico, apontou o executivo. No antanto, alertou que, quando esse entusiasmo “é associado a uma suscetibilidade igualmente americana à promoção entusiasmada e ao medo de ficar de fora, às vezes também leva a uma suspensão em massa do nosso pensamento crítico e a manias ou modismos ocasionalmente impetuosos e ilusórios”.

As moedas digitais de bancos centrais (CBDCs) poderiam representar sérios riscos e não resolveriam nenhum dos problemas do sistema financeiro, advertiu Quarles em discurso na Associação de Banqueiros de Utah. O mesmo reiterou ceticismo em relação aos Estados Unidos terem uma CBDC, e procurou abordar o que considera um excesso de entusiasmo: “Antes de sermos arrastados pela novidade, acho que precisamos de submeter as promessas de uma CBDC a uma análise crítica e cuidadosa.”

Embora haja uma barreira muito alta a superar, devido aos potenciais custos e aos riscos envolvendo a segurança, Quarles disse que não iria julgar o processo iniciado pelo Fed para analisar as perspetivas de uma moeda digital oficial. “Seria um alvo atraente de ataques cibernéticos e de outras ameaças à segurança”, ou poderia ser usada para lavar dinheiro, apontou. Em contrapartida, a principal atração do bitcoin “é ser algo novo e o anonimato”, destacou.

“Por definição, as modas passam. O bitcoin e moedas desse tipo continuarão a ser quase certamente um risco e um investimento especulativo, e não uma forma de pagamento revolucionária”, concluiu Quarles.

Related posts
EconomiaMundo

Volume de negócios com criptomoedas atinge recorde, diz estudo

Assine nossa Newsletter