Pandemia desacelera, mas EUA não se dispõe a abrir fronteiras como a UE - Plataforma Media

Pandemia desacelera, mas EUA não se dispõe a abrir fronteiras como a UE

À medida que a pandemia de covid-19 recua no Ocidente, a Europa abre as suas fronteiras aos americanos, mas o contrário não ocorre, pois os Estados Unidos não cedem às restrições impostas há 15 meses.

O presidente Joe Biden elogiou o progresso na vacinação, com a meta de 70% dos americanos receberem pelo menos uma dose até 4 de julho, e as autoridades de saúde relaxaram as recomendações sobre máscaras faciais, mas Washington mantém restrições às viagens.

“Esperamos a retoma das viagens transatlânticas assim que a ciência permitir”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, esta segunda-feira.

“Não posso colocar um prazo específico porque vai depender muito do curso da epidemiologia, da resposta ao vírus no mundo e da evolução, incluindo o impacto e a presença de variantes”, disse.

Biden prometeu restaurar alianças após a turbulenta presidência de Donald Trump e, na semana passada, cortejou aliados europeus na sua primeira viagem ao exterior.

O presidente norte-americano deixou claro que não tem pressa quando se trata de viagens, e o seu governo também renovou até 21 de julho o bloqueio das fronteiras terrestres com Canadá e México.

Durante a pandemia, os Estados Unidos proibiram a maioria dos visitantes da União Europeia, assim como do Reino Unido, Brasil, China, Índia, Irão e África do Sul.

No entanto, Biden permitiu um número crescente de isenções, com jornalistas, estudantes e outros com possibilidades de viajar apesar das restrições impostas aos turistas comuns.

Já a União Europeia decidiu reabrir as suas fronteiras para os americanos com a condição de que estejam vacinados ou apresentem testes negativos ao vírus.

Impulsionados pelo turismo

A União Europeia abriu-se aos EUA sob pressão de Estados-membros que dependem do turismo, como Grécia, Itália e Espanha, ansiosos por reativar um setor devastado pela pandemia.

Nos Estados Unidos, não há pressão semelhante para a entrada de estrangeiros, embora as companhias aéreas e outros setores da indústria do turismo tenham expressado apoio ao relaxamento das restrições. O The Wall Street Journal, num editorial recente, afirmou que não há razão para não corresponder à decisão europeia.

O governo Biden anunciou no início de junho a formação de grupos de trabalho com a União Europeia, Reino Unido, Canadá e México sobre os próximos passos.

Milhares de expatriados pagam impostos nos Estados Unidos e podem receber familiares no país, mas não podem sair sem se preocupar com a viagem de regresso.

Celia Belin, uma académica francesa da Brookings Institution de Washington, observa que Biden foi eleito com a promessa de enfrentar a luta contra a pandemia melhor do que Trump e “não quer correr nenhum risco”.

Related posts
ChinaEconomia

“Espero que os Países de Língua Portuguesa possam ser beneficiados”

EconomiaPortugal

Costa confiante que Portugal será dos melhores a executar os fundos até 2026

MundoPolítica

EUA repatria um prisioneiro de Guantánamo, a primeira transferência no governo Biden

ChinaPolítica

China critica EUA por apelo a “frente unida” com a Europa contra Pequim

Assine nossa Newsletter