Documentário do realizador são-tomense Silas Tiny premiado no Festival de Sheffield

Documentário do realizador são-tomense Silas Tiny premiado no Festival de Sheffield

O documentário “Constelações do Equador”, que tem produção portuguesa e direção do realizador são-tomense Silas Tiny, foi distinguido com o Prémio Especial do Júri da Competição Internacional do Festival de Sheffield – DocFest 2021, segundo o palmarés do certame

“Constelações do Equador” revisita o ano de 1967, quando a guerra de secessão do Biafra e a fome que esta gerou, condenaram à morte centenas de milhares de pessoas, em particular crianças, no continente africano.

Passado meio século, o filme procura vestígios dos acontecimentos, através da memória de sobreviventes do conflito, e da ponte área feita entre a Nigéria e as ilhas de São Tomé e Príncipe, então realizada.

A vaga de refugiados, a situação limite dos sobreviventes, sobretudo de mulheres e crianças, chegados das zonas de conflito, o acesso restrito aos locais que os acolhiam, a falta de informação da administração colonial, a repressão da ditadura portuguesa e a vida num território ainda marcado por séculos de escravatura e de trabalho forçado, são verificados pelo filme de Silas Tiny, conhecido por outras produções documentais como “O Canto de Ossobó (2018) e “Bafatá Filme Clube” (2013).

O filme combina a observação local, depoimentos, imagens de arquivo e factos históricos esquecidos, relacionados com a guerra civil desencadeada em 30 de maio de 1967 e a declaração unilateral da independência do Biafra, que constituiu um dos primeiros conflitos pós-coloniais de África.

“Constelações do Equador” tem produção da Divina Comédia e apoio do Instituto de Cinema e do Audiovisual (ICA).

O vencedor da competição internacional, a principal do festival, foi o documentário brasileiro “Nũhũ yãg mũ yõg hãm: Essa terra é nossa!“, de matriz indígena, que expõe a forma como os “homens brancos” têm roubado a terra ao povo indígena Tikmu’un, no Brasil, através da violência e da morte.

O filme foi dirigido por Isael e Sueli Maxakali, dois etnólogos e cineastas de origem indígena, com Carolina Canguçu e Roberto Romero.

O Sheffield DocFest teve início no passado dia 04 e terminou no domingo.

Dois projetos cinematográficos de coprodução portuguesa foram também selecionados para o mercado de coproduções do festival, que decorreu ‘online’, nos dias 09 a 11 de junho: “Fedora”, coprodução entre Portugal, México e Estados Unidos, assinada por Leland Palmer, e “Sunday in Japan”, coprodução luso-britânica de Leo Nelki e Sunday Bamweyana, que dá nome ao filme.

O documentário “Chelas nha kau” (“Chelas meu lugar”), do coletivo português Bataclan 1950 e da Bagabaga Studios, sobre a vida no bairro lisboeta, também fez parte da programação do Festival Internacional de Cinema Documental de Sheffield, exibido na secção “Rebellions”.

Na direção do festival está, desde final de 2019, a programadora portuguesa Cíntia Gil, depois de ter passado pela direção do DocLisboa.

Related posts
Portugal

Jornalista portuguesa Catarina Canelas (TVI) vence Prémio Rei de Espanha Ambiental

BrasilCultura

"A metamorfose dos pássaros" de Catarina Vasconcelos premiado no Brasil

LifestylePortugal

Projetos portugueses premiados no International Travel Awards

Desporto

Cristiano Ronaldo eleito Jogador do Século

Assine nossa Newsletter