Primeira reaproximação telefónica entre chineses e americanos após guerra comercial

Primeira reaproximação telefónica entre chineses e americanos após guerra comercial

Autoridades comerciais chinesas e americanas realizaram a primeira conversa telefônica desde que Joe Biden se tornou presidente dos Estados Unidos, anunciou o Ministério do Comércio chinês nesta quinta-feira (27).

As relações entre Pequim e Washington se deterioraram sob a presidência de Donald Trump, marcada por um conflito comercial entre as duas grandes potências mundiais.

Os dois países assinaram um acordo em janeiro de 2020, com o objetivo de encerrar dois anos de guerra comercial, que continha disposições relativas à proteção da propriedade intelectual e às condições de transferência de tecnologia, grandes exigências dos Estados Unidos.

Mas o novo governo Biden anunciou em abril que faria um balanço das promessas feitas pela China neste acordo.

A “capacidade” da China de cumprir seus compromissos com os Estados Unidos é uma “prioridade”, disse Katherine Tai, que assumiu suas funções como Representante de Comércio dos EUA (USTR), em março passado.

O vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, conversou com Tai em uma “troca construtiva” e em uma “atitude de igualdade e respeito mútuo”, de acordo com um comunicado do ministério.

O acordo comercial denominado “fase 1” manteve as tarifas dos Estados Unidos de 25% sobre uma gama de produtos chineses e componentes industriais que representavam 250 bilhões de dólares, e medidas de retaliação chinesas de mais de 100 bilhões de dólares sobre as importações dos Estados Unidos.

O governo dos Estados Unidos reiterou que concorda em manter as tarifas impostas por Donald Trump.

Related posts
ChinaMundo

EUA reconhecem que China pode superar o seu nível militar nas próximas décadas

Política

Opositores presos na Nicarágua são 'criminosos' e 'agentes' dos EUA para derrubá-lo, diz Ortega

MundoPolítica

Reforma eleitoral promovida por Joe Biden travada no Senado

MundoPolítica

EUA preparam sanções contra a Rússia por envenenamento de Alexei Navalny

Assine nossa Newsletter