Desvio do voo da Ryanair é "ato desesperado" da Bielorrússia - Plataforma Media

Desvio do voo da Ryanair é “ato desesperado” da Bielorrússia

Augusto Santos Silva condena a detenção do jornalista e ativista bielorrusso Roman Protasevich.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português defende que o desvio do voo da Ryanair é “um ato absolutamente desesperado” da Bielorrússia, no “limite do que é imaginável”, e as justificações de Minsk são “tão implausíveis que são até ridículas”.

Em entrevista à Lusa, Augusto Santos Silva afasta um possível envolvimento da Rússia, aliada do regime de Alexander Lukashenko: “Não acho que seja do interesse da Rússia patrocinar ou pactuar com este, diria, desespero da Bielorrússia”.

“Vamos ver. Temos de falar com eles”, acrescenta, referindo-se aos responsáveis políticos russos.

O ministro referia-se ao incidente ocorrido no domingo, em que um voo da companhia de baixo custo irlandesa entre Atenas, na Grécia, e Vílnius, na Lituânia, foi forçado a fazer um desvio para Minsk, na Bielorrússia, que culminou com a detenção do jornalista e ativista bielorrusso Roman Protasevich e da companheira.

“Eu entendo este ato praticado pelas autoridades bielorrussas no domingo passado como um ato absolutamente desesperado. É chegar ao limite do que é imaginável, mandar um caça intercetar um voo da Ryanair porque se quer apanhar um jornalista”, afirma Santos Silva.

O ministro prossegue considerando que o vídeo divulgado na terça-feira pela televisão pública bielorrussa – em que Roman Protasevich afirma estar a colaborar com as autoridades e faz uma ‘confissão’ – “não merece nenhuma credibilidade”, sobretudo “nas condições em que a pessoa foi detida e permanece detida”.

Leia mais em TSF

Related posts
MundoPolítica

Ditador da Bielorrússia condena Miss a 12 dias de prisão por ir a manifestação

BrasilMundo

Diplomatas da Bielorrússia no Brasil silenciam sobre repressão e apoiam ditador

ChinaMundo

Bielorrússia: Ministro da Defesa agradece à Rússia e à China pelo apoio

MundoPolítica

Presidenciais na Bielorrússia não foram nem livres nem justas, diz Merkel

Assine nossa Newsletter