Sucesso dos bancos não se mede pelos lucros - Plataforma Media

Sucesso dos bancos não se mede pelos lucros

Mário Nascimento respondeu a perguntas do Jornal de Angola sobre as razões da queda dos resultados líquidos e os desafios colocados ao sector no contexto da pandemia da Covid-19.

A crise da Covid-19 será, por si só, a grande explicação para a queda dos resultados da banca?

Angola enfrenta, desde há cinco anos, recessões económicas sucessivas, o que o surgimento da crise da Covid-19, em 2020, apenas veio agravar. Neste contexto, podemos dizer que a diminuição dos resultados na banca não se deve exclusivamente à crise da Covid-19, mas também a uma forte diminuição da actividade económica, com as consequências que daí advieram, como o encerramento de empresas, a diminuição das receitas fiscais, etc. A Covid-19 teve um grande peso no forte decréscimo do resultado dos bancos, pois veio agravar a crise económica que o país atravessa e, por consequência, causou uma forte diminuição da actividade e dos rendimentos da banca.

O facto de, à excepção do BPC, todos os restantes gerarem lucros, significa que a banca é, de facto, um negócio bastante rentável…

Tal como os restantes sectores e actividades empresariais, onde existe uma forte presença do sector privado, o sector da banca, no geral, é rentável. No sector financeiro, no geral, e no bancário, onde existe uma forte regulamentação e fortes requisitos prudenciais, a medição do sucesso não se esgota na medição do lucro. O facto de o sector bancário ser rentável, não quer dizer que não existam riscos e fortes exigências às instituições que dele fazem parte. Também não significa que não existam situações de bancos que não tenham ou passem por dificuldades financeiras apesar de apresentarem lucro. É de conhecimento público a existência de bancos no nosso sistema bancário que, estando em dificuldades e sob planos de reestruturação, ainda assim, não cumprem os requisitos prudenciais do BNA. Pelo que é necessário não confundir, na banca, o lucro, com a solidez e solvabilidade das instituições.

Leia mais em Jornal de Angola

Assine nossa Newsletter