Vítimas do Jacarezinho tinham ficha criminal ou envolvimento com o tráfico relatado por parentes - Plataforma Media

Vítimas do Jacarezinho tinham ficha criminal ou envolvimento com o tráfico relatado por parentes

Mais da metade dos mortos esteve presa, sendo que dois eram foragidos, segundo relatório da Polícia Civil.

O relatório de inteligência da Polícia Civil sobre a operação do Jacarezinho, na zona norte do Rio de Janeiro, afirma que todos os mortos pelos agentes tinham registro em suas fichas criminais ou envolvimento com o crime confirmado por parentes.

De acordo com os dados do documento, as 27 vítimas civis tinham entre 16 e 48 anos. Quase todas (25) tinham registro de passagens pela polícia. Os crimes mais comuns são tráfico de drogas, roubo e furto.

Em relação aos dois sem passagem na polícia, há depoimentos de parentes confirmando o envolvimento na quadrilha que atua no Jacarezinho. O mesmo ocorre com outras quatro pessoas mortas pela polícia que tinham registro na ficha criminal.

Entre os 27 mortos pela polícia, 16 tiveram passagens pelo sistema penitenciário, sendo que 2 eram considerados foragidos.
A Operação Exceptios foi a mais letal na história do Rio de Janeiro. Além dos 27 civis, o policial civil André Frias também foi morto no confronto.

O relatório não detalha como as vítimas foram mortas pelos agentes. De acordo com o governo, todos foram baleados em confronto com a polícia.

As 27 mortes de civis ocorreram em 12 confrontos distintos, envolvendo 29 policiais, segundo mostram os boletins de ocorrências registrados na Divisão de Homicídios.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Related posts
BrasilSociedade

Jacarezinho lida com insônia, sustos e flashbacks após operação

BrasilPolítica

Sem provas, Bolsonaro classifica mortos de Jacarezinho como traficantes que 'roubam e matam'

BrasilSociedade

ONG pede investigação à operação policial que fez 25 mortos no Rio de Janeiro

BrasilLifestyle

Governo do Rio de Janeiro reconhece erro em campanha contra Covid-19

Assine nossa Newsletter