EUA pede soltura de cidadãos de Hong Kong condenados por relembrar Tiananmen - Plataforma Media

EUA pede soltura de cidadãos de Hong Kong condenados por relembrar Tiananmen

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, pediu nesta sexta-feira (7) a libertação dos quatro cidadãos de Hong Kong condenados na véspera a penas de prisão por terem participado em 2020 da vigília pelo aniversário da repressão de Tiananmen.

“Os Estados Unidos estão com o povo de Hong Kong e rejeitam a condenação dos ativistas que participaram das comemorações da Praça Tiananmen”, tuitou Blinken.

“Todos os presos pelo exercício não violento das liberdades garantidas devem ser libertados imediatamente”, acrescentou. 

Joshua Wong, Lester Shum, Tiffany Yuen e Janelle Leung – quatro ativistas com menos de 30 anos – foram condenados na quinta-feira, após se declararem culpados de participar de uma manifestação não autorizada.

Durante décadas, a ex-colônia britânica foi o único lugar na China onde se relembrava o aniversário da sangrenta intervenção do Exército chinês contra o movimento estudantil e social de 1989, em Pequim.

Pela primeira vez em 30 anos, a vigília de 4 de junho não foi autorizada pelas autoridades em 2020, sob a alegação do contexto excepcional de combate à pandemia de covid-19 e em um contexto de aumento do controle do poder central chinês sobre Hong Kong. 

Dezenas de milhares de pessoas desafiaram, porém, a proibição para rememorar pacificamente o 31º aniversário da repressão da Praça Tiananmen em um parque no centro de Hong Kong. E foram movidas ações judiciais contra 24 personalidades do movimento pró-democracia.

Joshua Wong, o rosto mais conhecido do protesto de Hong Kong no exterior, foi condenado a 10 meses de prisão, uma pena que se soma aos 13 meses e meio que cumpre por sua participação em outro protesto em 2019.

Assine nossa Newsletter