Myanmar: Militares proíbem televisão por satélite e ameaçam com um ano de prisão - Plataforma Media

Myanmar: Militares proíbem televisão por satélite e ameaçam com um ano de prisão

A junta militar de Myanmar (antiga Birmânia) proibiu a utilização de recetores de televisão por satélite por tal constituir uma “ameaça à segurança” e ameaçou punir os infratores com uma pena até um ano de prisão.

Segundo a emissora pública MRTV, a televisão por satélite já não é legal e os infratores, especialmente aqueles que usam recetores para visualizar canais estrangeiros, podem ser punidos com uma pena máxima de um ano de prisão e uma multa de 500 mil kyat (267 euros).

A estação de televisão informou na terça-feira à noite que os meios de comunicação social “ilegais” transmitem notícias que ameaçam a segurança nacional e a ordem pública e encorajam aqueles que cometem atos de traição.

Esta proibição junta-se ao corte progressivo das comunicações via Internet desde o golpe de 01 de fevereiro, primeiro com o bloqueio de redes sociais como o Twitter, Instagram, Whatsapp e Facebook, e depois com os ‘apagões’ noturnos do sinal da Internet e a suspensão desde 15 de março dos dados da Internet móvel.

O regime militar está a tentar restringir a informação vinda do estrangeiro, depois de aprovar medidas restritivas da liberdade de expressão e revogar as licenças de alguns dos meios digitais mais seguidos, tais como Myanmar Now, Mizzima ou Khit Thit Media, que continuam a operar clandestinamente.

Antes, já tinha fechado as portas da imprensa, deixando Myanmar sem imprensa independente pela primeira vez em quase uma década, com os jornais pró-governamentais da junta a serem a única opção de leitura.

Cerca de 50 jornalistas continuam detidos e dezenas estão escondidos, a trabalhar a partir de esconderijos em áreas controladas por guerrilhas étnicas ou refugiados em países próximos, como a Tailândia e a Índia.

De acordo com a Associação de Assistência aos Presos Políticos (AAPP), 769 pessoas foram mortas pela junta desde a revolta militar, e 3.677 estão detidas.

O exército birmanês justificou o golpe com uma alegada fraude eleitoral nas eleições de novembro, quando o partido da líder pró-democracia Aung San Suu Kyi venceu claramente, como o tinha feito em 2015, num resultado validado pelos observadores internacionais.

Related posts
MundoPolítica

200 ONG pedem ao Conselho de Segurança da ONU embargo de armas ao Myanmar

MundoPolítica

Embaixador chinês adverte que violência no Myanmar pode levar à guerra civil

MundoPolítica

Embaixadas de mais de 15 países pedem libertação de jornalistas em Myanmar

MundoPolítica

Pelo menos 82 mortos em Myanmar num só dia em ação das forças de segurança

Assine nossa Newsletter