Bolsonaro acentua crise de identidade dos militares como atores políticos - Plataforma Media

Bolsonaro acentua crise de identidade dos militares como atores políticos

Falta de interesse civil sobre Forças Armadas é crônico, apontam fardados e especialistas.

Com as Forças Armadas de volta ao centro do palco, o governo Jair Bolsonaro acentuou a crise de identidade dos militares como atores políticos no Brasil.

Sem os freios e contrapesos que o poder civil deveria exercer, os fardados tiveram seu prestígio emprestado pelo capitão reformado do Exército, que lhes devolveu em benesses, mas também em dano de imagem de difícil reversão.

Este é o resumo da avaliação feita à Folha por militares da ativa e da reserva, acadêmicos e políticos com trânsito nos quartéis ao avaliar o papel das Forças após a mais grave crise no setor desde 1977.

Em março, Bolsonaro demitiu o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, levando à renúncia coletiva dos três comandantes das Forças —que foi transformada numa exoneração pelo novo titular da pasta, o também general da reserva Walter Braga Netto.

A escolha dos novos chefes militares acalmou um pouco os ânimos, mas não a questão central. Bolsonaro insiste em usar o nome das Forças como apoiadoras de seu projeto político, particularmente ao continuar ameaçando empregá-las contra medidas restritivas aplicadas por estados para tentar conter a pandemia.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Related posts
BrasilPolítica

Datafolha: 50% dizem nunca confiar nas declarações de Bolsonaro; só 14% sempre acreditam

BrasilPolítica

Bolsonaro sanciona lei que determina afastamento de grávidas do trabalho presencial

BrasilPolítica

Datafolha: Aprovação a Bolsonaro recua e atinge pior marca do mandato

BrasilPolítica

Sem provas, Bolsonaro classifica mortos de Jacarezinho como traficantes que 'roubam e matam'

Assine nossa Newsletter