Índia supera 200.000 mortes por covid-19 e Europa tem mais de 50 milhões de casos

Índia supera 200.000 mortes por covid-19 e Europa tem mais de 50 milhões de casos

A Índia, submersa em uma grave crise sanitária, superou nesta quarta-feira (28) a marca de 200.000 mortos por covid-19, cuja variante local já foi detectada em pelo menos 17 países, enquanto a Europa superou os 50 milhões de infectados desde o início da pandemia.

A Índia, quarto país com mais vítimas fatais por covid-19, atrás de Estados Unidos, Brasil e México, superou os 200.000 óbitos depois de registrar mais 3.000 mortes em 24 horas pela primeira vez, de acordo com dados oficiais.

A nação de 1,3 bilhão de habitantes, a segunda mais populosa do planeta depois da China, também registrou um grande número de contágios em apenas um dia: 360.000. Os crematórios trabalham sem pausa, a lenha acabou em alguns estabelecimentos e as famílias precisam fornecer o próprio combustível.

A explosão de casos é atribuída à variante indiana e às grandes manifestações políticas e religiosas das últimas semanas.

O Reino Unido enviou à Índia um primeiro carregamento de 100 respiradores e 95 concentradores de oxigênio. França, Canadá, Itália, Estados Unidos, Suíça e Rússia também anunciaram ajuda.

Variante indiana em 17 países

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que não sabe ainda se o maior índice de mortalidade se deve a uma variante mais agressiva ou à situação do sistema de saúde indiano pela explosão de casos ou a ambos.

Esta variante, conhecida cientificamente como B.1.617, foi detectada em mais de 1.200 sequências de genoma em “pelo menos 17 países”, anunciou a OMS. Entre eles estão Reino Unido, Estados Unidos, Singapura, Bélgica, Suíça, Grécia e Itália.

“A B.1.617 tem uma taxa de crescimento mais elevada do que outras variantes que circulam na Índia, sugerindo que é mais contagiosa”, afirmou a OMS. 

Apesar da continuidade dos testes, o fundador e diretor do laboratório BioNTech, Ugur Sahin, declarou nesta quarta-feira que confia na eficácia contra esta variante da vacina desenvolvida em parceria com a Pfizer.

Vários países suspenderam ou limitaram voos com a Índia, como Austrália, Canadá, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Nova Zelândia.

A Bélgica anunciou o fechamento de suas fronteiras com a Índia, mas também com Brasil e África do Sul, países que registraram outras variantes do vírus, enquanto a Espanha ampliou a quarentena obrigatória, em vigor para passageiros procedentes do Brasil, às pessoas que chegam da Índia.

A presença do vírus preocupa a Europa, no momento em que vários países começam a flexibilizar as medidas de restrição. A Holanda suspendeu nesta quarta-feira o toque de recolher e autorizou a reabertura dos terraços e varandas entre 12h00 e 18h00.

“É um sentimento fenomenal, após seis meses dentro de casa”, comentou Marvin Erhart, de 26 anos, sentado ao sol com a namorada.

Na Itália, onde os cinemas e as salas de espetáculos reabriram parcialmente na segunda-feira, o famoso Teatro alla Scala de Milão anunciou a reabertura para um público limitado de 500 pessoas, que poderão assistir a três concertos em maio.

Mais de 50 milhões de pessoas foram infectadas pela covid-19 na Europa desde dezembro de 2019, de acordo com um balanço da AFP realizado nesta quarta-feira.

Nos Estados Unidos, os cidadãos vacinados não precisarão mais usar máscara ao ar livre, exceto em casos de aglomerações.

Mas o festival alternativo Burning Man, realizado anualmente no deserto de Nevada, será cancelado pelo segundo ano consecutivo devido à pandemia, anunciaram os organizadores.

Enquanto isso, a busca mundial por mais imunizantes continua. O Reino Unido anunciou nesta quarta-feira que vai comprar 60 milhões de novas doses da vacina Pfizer/BioNtech, enquanto a Turquia solicitou 60 milhões do medicamento russo Sputnik. 

De acordo com um relatório divulgado nesta quarta, a União Europeia estima que a Rússia e a China orquestraram campanhas de “difamação” para minar a confiança nas vacinas aprovadas por seu regulador de medicamentos, Pfizer/BioNTech, AstraZenca, Moderna e Johnson & Johnson.

CPI no Brasil

Na América Latina, Brasil, Chile, Colômbia e Equador continuam enfrentando uma forte onda de infecções. O número de mortes semanais no México caiu de 9.549 para 1.621 em 14 semanas e as infecções de 112.000 para menos de 19.000. 

No Brasil, a reguladora Anvisa se recusou a autorizar a vacina russa Sputnik V enquanto o Senado investiga a forma como o governo Bolsonaro administra a crise, o que pode afetar sua reeleição em 2022. 

As pesquisas mostram que ele pode ser derrotado, em especial pelo ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva, que desponta como seu principal adversário. Durante a pandemia, Bolsonaro minimizou seu impacto. 

A incerteza quanto à situação de saúde levou os organizadores das Olimpíadas de Tóquio – de 23 de julho a 8 de agosto – a adiar para junho a decisão sobre a presença de torcedores locais nas arquibancadas. Os atletas devem se submeter a um teste para covid todos os dias, em vez de a cada quatro, conforme planejado inicialmente. 

No mundo, o vírus já matou pelo menos 3.137.725 pessoas desde dezembro de 2019 e mais de um bilhão de doses de vacinas já foram administradas, de acordo com balanços da AFP com base em fontes oficiais.

Related posts
MundoSociedade

Variante indiana do coronavírus está presente em 44 países

EconomiaTimor-Leste

PIB não petrolífero de Timor-Leste cai 8,5% em 2020 afetado pela Covid-19

MundoSociedade

Mundo ultrapassa 1 bilhão de vacinas anticovid administradas

MundoSociedade

Número de infeções com novo máximo na semana passada, alerta OMS

Assine nossa Newsletter