Cabo-verdianos falaram mais 147 milhões de minutos ao telemóvel em 2020 - Plataforma Media

Cabo-verdianos falaram mais 147 milhões de minutos ao telemóvel em 2020

Cabo Verde fechou 2020 com menos de 545 mil números de telemóvel ativos, uma quebra de 8,5% num ano, mas o tempo de conversação, em ano de pandemia, aumentou quase 15%, equivalente a mais 147 milhões de minutos.

De acordo com o estudo Indicadores Estatísticos do Mercado das Comunicações Eletrónicas em Cabo Verde, relativo ao quarto trimestre de 2020, elaborado pela Agência Reguladora Multissetorial da Economia (ARME), o país tinha no final do ano passado 544.729 cartões SIM ativos, distribuídos entre as duas operadoras de telecomunicações móveis que operam no arquipélago.

Este número contrasta com os 595.681 do final de 2019, quando Cabo Verde atingiu uma taxa de penetração de 108% – para um país cuja população ronda as 550 mil pessoas –, que na altura já foi uma quebra de 2% face a 2018.

Em 2020, a taxa de penetração voltou a cair, agora 98%, segundo o estudo da ARME.

Do total de cartões SIM ativos, 519.746 correspondiam a números pré-pagos e os restantes 24.983 a pós-pagos.

O estudo aponta ainda que 390.805 cartões SIM estavam a ser utilizados, no final de 2020, para aceder também à Internet, com tecnologia 3G, uma taxa de penetração de 70,2%, ligeiramente abaixo dos 71,2% no final de 2019.

Em todo o ano de 2020, os utilizadores das redes moveis cabo-verdianas (CV Móvel e Unitel T+) consumiram 1.158.035.347 minutos de comunicações de voz, um aumento de 14,5% (mais 147,3 milhões de minutos) face a 2019, num período fortemente marcado pelas restrições nos contactos diretos, devido à pandemia de covid-19, e quando em 2019 o crescimento tinha sido mais contido, de 7%.

Os utilizadores das duas redes móveis enviaram em 2020 mais 4,5% de mensagens escritas (SMS), que totalizaram 80.272.916.

Entre todas as formas de subscrição de Internet, o ano de 2020 fechou com um total de 444.590 assinantes do serviço, um aumento inferior a 1% face a 2019, correspondente a uma taxa de penetração nacional de 80%, de acordo com o mesmo estudo da ARME.

Assine nossa Newsletter