Cinco empresas portuguesas juntaram-se hoje à mega limpeza de Luanda - Plataforma Media

Cinco empresas portuguesas juntaram-se hoje à mega limpeza de Luanda

Cinco empresas portuguesas estão entre as onze construtoras mobilizadas pelo ministério da Construção para apoiar o Governo Provincial de Luanda (GPL) na megacampanha de limpeza lançada esta segunda-feira para tratar das toneladas de lixo acumuladas nos últimos meses.

Segundo um documento a que a Lusa teve acesso, das 21 empresas mobilizadas pelo governo angolano, onze confirmaram a sua disponibilidade, entre as quais as portuguesas Tecnovia, Mota Engil, Casais, Elevo (resultante da fusão da Edifer, Monte Adriano, Hagen e Eusébios), e Conduril, que iniciaram ontem a jornada.

Também a Omatapalo, de origem portuguesa, que iniciou a sua atividade na cidade do Lubango, está no grupo de empresas participantes, bem como as angolanas Engevia, Carmon e Griner (que comprou reentemente a Sacyr Somague Angola) e o grupo chinês China Harbour Engineering Company (CHEC).

Da lista faz igualmente parte a brasileira Queiroz Galvão, uma das seis operadoras com quem o governo suspendeu, em dezembro, os contratos para a recolha do lixo na capital angolana por incapacidade para pagar uma dívida acumulada superior a 300 milhões de euros.

A decisão levou a um acumular de detritos em Luanda ao longo dos últimos meses, com consequências ambientais e riscos para a saúde pública que o governo já reconheceu.

Em fevereiro, o GPL selecionou sete empresas, entre 39 candidatos que concorreram ao concurso público, para a recolha do lixo, mas o problema não está ainda resolvido.

No sábado, o Governo anunciou o lançamento de uma megacampanha de limpeza com envolvimento de empresas privadas, que vão participar de forma voluntária, e efetivos das Forças Armadas, para apoiar os operadores selecionados por concurso.

Related posts
AngolaSociedade

Mais de 50 empresas angolanas interessadas em gerir aterro sanitário de Luanda

AngolaSociedade

Sobe para 10 número de mortos devido a bebida alcoólica adulterada em Luanda

Angola

Chuvas torrenciais em Luanda fazem 14 mortos e deixam 8.000 pessoas desalojadas

Angola

Petrolífera ENI vai investir sete mil milhões de dólares em Angola

Assine nossa Newsletter