Jair Bolsonaro, 66 anos, procura partido para relação séria - Plataforma Media

Jair Bolsonaro, 66 anos, procura partido para relação séria

Sem filiação, depois de romper com o PSL e de não ter conseguido lançar o Aliança Pelo Brasil, o presidente hesita entre juntar-se a uma formação que controle, mas pequenina, ou a uma forte, onde não mande. Com Lula na corrida, não há tempo a perder.

A 15 de novembro de 2019, Jair Bolsonaro recebia dezenas de convidados, alguns com t-shirts de homenagem ao torturador Brilhante Ustra, num hotel de luxo de Brasília para, sob o slogan “Deus, Pátria, Família”, anunciar a fundação do Aliança Pelo Brasil, partido esculpido à sua imagem. Um ano e meio depois, como o Aliança recolheu apenas uma ínfima parte das assinaturas necessárias para arrancar, o presidente brasileiro procura, às pressas, uma formação que abrigue a sua recandidatura em 2022. “Já estou atrasado”, admitiu.

“Espero que ainda neste mês eu resolva, abril de 2021 está bom como prazo para definir. O duro foi quando eu me candidatei, em 2018, e acertei em março do ano da eleição, em cima da hora”, disse Bolsonaro na segunda-feira.

A decisão pela criação do nado-morto Aliança em novembro de 2019 surgiu da rutura de Bolsonaro, um mês antes, com o Partido Social Liberal (PSL), pelo qual ganhara as eleições de 2018. E essa rutura surgiu, por sua vez, de uma resposta agressiva do presidente a uma pergunta de um apoiante sobre Luciano Bivar, o líder do PSL, acusado de corrupção na campanha eleitoral por promover candidaturas femininas falsas. “Esse cara ’tá queimado”, afirmou Bolsonaro.

Revoltado, Bivar contra-atacou: disse que o PSL “não é um grémio estudantil”, precipitou a saída de Bolsonaro e ajudou a transformar deputados do partido até então bolsonaristas ferrenhos, como Joice Hasselmann, Delegado Waldir ou o entretanto falecido Major Olímpio, em anti-bolsonaristas convictos.

Hoje em dia, por estranho que possa parecer, o grupo parlamentar do PSL abriga alguns dos apoiantes mais fervorosos de Bolsonaro (como o seu filho Eduardo, por exemplo) e parte dos opositores mais veementes do governo.

Leia mais em Diário de Notícias

Related posts
BrasilPolítica

Orçamento de 2021 ameaça Bolsonaro com mesma pedalada que derrubou Dilma Rousseff

BrasilPolítica

Orçamento de 2021 favorece programas ligados ao bolsonarismo

BrasilPolítica

Assessores de Bolsonaro na Câmara dos Deputados sacaram 72% do salário em dinheiro vivo, diz site

BrasilPolítica

Novo ministro da Saúde descarta lockdown como política contra Covid

Assine nossa Newsletter