Líder destituída de Mianmar está bem, afirma advogado - Plataforma Media

Líder destituída de Mianmar está bem, afirma advogado

A líder destituída do governo civil de Mianmar, Aung San Suu Kyi, está em bom estado de saúde, apesar dos dois meses de detenção, afirmou seu advogado nesta quarta-feira (31), enquanto a pressão diplomática aumenta sobre a junta militar golpista.

O Conselho de Segurança da ONU reunirá nesta quarta-feira para buscar, apesar de suas divisões, uma resposta comum para a crise em Mianmar, onde a junta prossegue com a violenta repressão, o que levou o governo dos Estados Unidos a determinar a saída dos funcionários diplomáticos não essenciais do país.

Os 15 membros do Conselho se reunirão a portas fechadas a pedido do Reino Unido, dois meses após o golpe de Estado de 1º de fevereiro contra o governo liderado de fato por Suu Kyi.

A vencedora do prêmio Nobel da Paz de 1991 “parece estar em bom estado de saúde”, afirmou nesta quarta-feira um de seus advogados, Min Min Soe, que conversou com ela por videoconferência em uma delegacia, antes de uma audiência judicial prevista para quinta-feira.

O Conselho de Segurança deve “cortar os meios financeiros da junta e levar os responsáveis pelas atrocidades ao Tribunal Penal Internacional (TPI)”, escreveu no Twitter Tom Andrews, relator especial da ONU para Mianmar.

O Japão anunciou nesta quarta-feira a suspensão de qualquer nova ajuda a Mianmar devido ao golpe militar.

O Conselho de Segurança está dividido. Estados Unidos e Reino Unido anunciaram novas sanções contra os responsáveis pelo golpe militar nos últimos dias, enquanto China e Rússia se negaram a condenar oficialmente o golpe.

Ao mesmo tempo, os generais birmaneses persistem com a violenta repressão das manifestações.

Na terça-feira, as forças de segurança mataram oito manifestantes, segundo a Associação para a Assistência de Presos Políticos de Mianmar (AAPP).

Desde 1º de fevereiro, as forças de segurança mataram 520 civis e prenderam centenas de manifestante e opositores – muitos permanecem em paradeiro desconhecido, informou a AAPP.

– Ataques contra delegacias –

A repressão provocou a reação de grupos étnicos insurgentes no país.

A União Nacional Karen (KNU) e o Exército da Independência Kachin (KIA) executaram ataques contra as forças de segurança nos últimos dias.

Nesta quarta-feira, o KIA atacou uma delegacia no estado Kachin, extremo norte do país, segundo a imprensa local.

Na terça-feira, um ataque com lança-foguetes deixou cinco policiais feridos em uma delegacia da região de Bago, ao nordeste de Yangon, informou o exército.

O ataque não foi reivindicado, mas no fim de semana a KNU tomou o controle de uma base militar no estado de Karen, o que provocou uma resposta aérea das Forças Armadas, a primeira em 20 anos nesta região.

A KNU afirmou que responderia ao bombardeio e reiterou seu apoio “ao movimento popular contra o golpe de Estado”.

Outros três grupos rebeldes, entre eles o influente Exército de Arakan (AA), ameaçaram adotar represálias caso a repressão continue contra os civis.

Desde a independência de Mianmar em 1948, vários grupos étnicos estão em conflito com o poder central. 

Estes grupos pedem mais autonomia e acesso às riquezas naturais ou a uma parte do lucrativo tráfico de drogas.

Os ataques aéreos provocaram a fuga de quase 3.000 pessoas para a Tailândia.

O governo do país vizinho afirmou que 550 continuam na Tailândia e 2.300 retornaram a Mianmar.

Militantes karen acusaram a Tailândia de impedir a entrada de refugiado.

Ao mesmo tempo, dezenas de milhares de funcionários públicos e trabalhadores do setor privado continuam em greve contra o regime militar.

Nesta quarta-feira uma caravana de motos foi organizada em Mandalay, centro do país, com os lemas “Salvem Mianmar” e “Basta de crimes contra a humanidade”.

Mas o número de manifestantes registra queda na comparação com as centenas de milhares das primeiras semanas de protestos.

Related posts
MundoPolítica

200 ONG pedem ao Conselho de Segurança da ONU embargo de armas ao Myanmar

MundoSociedade

Myanmar: Militares proíbem televisão por satélite e ameaçam com um ano de prisão

MundoPolítica

Embaixador chinês adverte que violência no Myanmar pode levar à guerra civil

MundoPolítica

Embaixadas de mais de 15 países pedem libertação de jornalistas em Myanmar

Assine nossa Newsletter